Vídeo de uma aula diferente - parte 2

Os conhecimentos são transmitidos pelo professor com competências digitais mas de forma diferente. Não há manuais, nem acetatos, mas sim vídeos, esquemas, demonstrações. O professor não debita informação, mas orienta a pesquisa, o trabalho. Mas para que estes conteúdos inovadores apareçam, é preciso que os professores estejam mais à frente :)

Deveria ser assim....

https://www.youtube.com/watch?v=yh08j4-3Low

https://www.youtube.com/watch?v=uZ73ZsBkcus

https://www.youtube.com/watch?v=6yWzKvQXsYM

Comentários

  • Paulo teixeira de sousa há 1831 dias

    Gostei dos vídeos..pena que ainda não é uma realidade para todos, mas vejo que a tendência é esta mesmo viu margarida, mas não podemos só jogar para os professores..pais..governo...toda a sociedade precisa mudar a forma de ver a educação.

  • Ribães há 1830 dias

    Bom dia!

    Até certo ponto, entendo as ideias dos intervenientes, mas a partir do ponto mais um, começo sem entender o que deveria ser ou não ser (através dos videos "abroad"), aquilo que já é uma realidade em Portugal alguns anos e que deveria o ser de igual modo na Universidade Aberta e não o é?! (por exemplo). São várias as escolas, colégios e faculdades do País Portugal, que cada vez mais utilizam ao máximo o que de melhor as novas tecnologias podem oferecer (pode não ser com tanto luxo, com tanta capacidade de processamento de dados, com tanta ergonomia associada, como nos videos retratados mas funcional). Entre as diversas ferramentas utilizadas, encontram-se precisamente os podcasts (arquivos de audio), pela simplicidade e praticabilidade que assumem; o uso de tablets, ipods e ipads pela disponibilidade de melhor ativar as capacidades neurocognitivas dos estudantes, ajudando-os aprender conceitos mais difícieis, como o tempo, a energia [quântica], a distância, escalas grandes e outros que possam surgir nos estudos do tempo geológico.

    Por tais factos e independentemente dos contextos e das vivências de usos particulares de cada um como individuos, não vejo onde é que os professores possam precisar de estar mais "à frente" ou que isto seja somente uma "tendência" alcançar num futuro mais longinquo (subentenda-se um pouco mais distante da atualidade 10.dez.2014).

    Para mais informações, enquadramentos e desenvovimentos mais amplos sobre o uso destas tecnologias relacionados com a educação, é favor verem a título exemplificativo, os estudos preconizados pelo Departamento de Educação Cientifica no Centro Harvard-Smithsonian para Astrophysics, em Massachusetts, EUA.

    http://www.cfa.harvard.edu/education-outreach

    Obrigado a todos!

  • TM há 1830 dias

    Boa tarde, Margarida Pereira e restantes colegas! Gostei muito dos vídeos e concordo com as opiniões expressas: "deveria ser assim...pena que ainda não é uma realidade para todos...." , mas escolhemos ou não a profissão das desilusões, dos entraves, dos constrangimentos? 

    Ficamos-nos pelos versos do poeta " Um pouco mais e eu fora"...? 

    Acredito que todos os dias precisamos de acreditar que é possível fazer as coisas de um modo diferente! 

    Obrigada pela vossa partilha

    [] TM

  • TM há 1830 dias

    Boa tarde, Margarida Pereira e restantes colegas! Gostei muito dos vídeos e concordo com as opiniões expressas: "deveria ser assim...pena que ainda não é uma realidade para todos...." , mas escolhemos ou não a profissão das desilusões, dos entraves, dos constrangimentos? 

    Ficamos-nos pelos versos do poeta " Um pouco mais e eu fora"...? 

    Acredito que todos os dias precisamos de acreditar que é possível fazer as coisas de um modo diferente! 

    Obrigada pela vossa partilha

    [] TM