Tecnologia informacional e alienação

  • Público
Por Cristine há 1800 dias Comentários (5)

#ecoimooc14t0;#ecoimooc14t, a imagem fala por si sobre o significado da tecnologia informacional principalmente para as gerações mais novas hoje.

o estar conectado emerge categoria antropológico de pertença 

com relação a figura do link: será que eles estão vendo a obra de arte na tela do telefone ?

https://scontent-a-lga.xx.fbcdn.net/hphotos-xap1/v/t1.0-9/10846345_751278451618564_4709500189570819177_n.jpg?oh=8ad9c8a985a93d7471ac78145b15bb9f&oe=550A8942

a questão é como usar isto a favor nos processos educacionais sem que isto se torne uma nova alienação.

Comentários

  • Cristine há 1799 dias

    ao reler as questões que coloquei agora mesmo, me lembrei do texto Las meninas de Foucault em as palavras e as coisas....

  • Ribães há 1799 dias

    Bom dia! a todos

    Alienados! Concerteza! Cristine ...

    2 exemplos muito rápidos no cair de mais um dia de trabalho.

    Ontem enquanto esperava pelo jogo de volley onde os meus filhos participavam ativamente, após ter sido interpelado por uma menina que se encontrava no ginásio, acabei por realizar conversa com outras tantas que se encontravam no mesmo espaço agarradas aos telemóveis como se fossem partes integrantes do corpo humano. Estavam todas juntas mas não havia qualquer tipo de diálogo entre elas ou melhor dizendo, existia um diálogo pobre de breves comentários entre as Mensagens trocadas com outras supostas amigas distantes ou seja, estavam a prestar mais atenção àqueloutras do que ás presentes. 1º Tipo de Alienação - "O cúmulo dos diálogos pobres"

    O 2º Tipo de Alienação, somos nós próprios neste fórum; em que com toda a certeza diríamos muito mais uns aos outros se estivéssemos a falar presencialmente do que estarmos para aqui a dedilhar, o que não será mais do que dizermos, estarmos a criar calos nas pontas dos dedos e uma grande bossa de camelo nas costas, a par de um grande par de óculos nos olhos, sempre com a firme redundância de uma consciência acrescida que não conseguimos dizer mais do 1% daquilo que pretenderíamos e/ou ainda nos ficarmos por breves considerações de escritas em espaços mais balizados de brevíssimas "curtas". 2º Tipo de Alienação - "O cúmulo dos pobres contextos de não sermos exemplos para ninguém".


    Quanto à figura do link, não será pois de estranhar que com tanta atenção prestada ao visor dos equipamentos, estes estejam a observar os "pixéis de formação" das obras de arte, e que, na eventualidade de serem interpelados por alguém com a mesma pergunta ou perguntas derivadas, eles nos venham dizer de imediato que a pintura de Picasso tem X pixéis vermelhos a mais do que a de Rossi, mas de este, porém, tem Y pixéis verdes a mais do que aqueloutro :)


    Tanto para o cúmulo primeiro, como para o segundo, o que falta é proximidade entre as pessoas, estas hoje em dia, não estão predispostas a falar, a interrelacionar-se, a conviver saudavelmente, e muito menos a pensar, a refletir sobre o estado de coisas em que nos encontramos ou numa visão mais alargada, saber o que se passa no mundo e como o devemos melhorar.


    Se o meu diálogo encetado, capitalizou atenção das jovens ao ponto de lhes dar ideias para pararem com os telemóveis e passarem a trocar falas entre todos, julgo que para o segundo exemplo avançado, a ideia seria a mesma. E veja, praticamente não fiz nada, apenas os confrontei com tal situação, fi-los pensar por breves momentos e de imediato passei a focalizar-lhes toda atenção, devolvendo-lhes o papel principal dos argumentos e orientando-os nos percursos dos diálogos. Quanto à velha pergunta de circunstância, se os jovens falavam muito com os pais sobre estes ou outros assuntos, todos olharam para os seus umbigos em silêncio ou com um abanar de cabeça, lá foram transmitindo a ideia que "não".


    Se comecei com a certeza do meu concerteza contraído, agora, deixo-o expandido - Com Certeza Cristine!


    Fiquem bem. Muito Obrigado.

  • Diamorais há 1799 dias

    Boa tarde,

    É realmente verdade que a alienação existe, de acordo com o que nós, pessoas de outra geração, consideramos por socializaçãoSmile! Nas próximas gerações o ato de socializar terá sofrido fortes transformações.

    Contudo considero inspirador como estes novos veículos de comunicação têm transformado a vidas de todos, inclusive daqueles que por muitos anos não conseguiam comunicar e que agora, graças aos recursos tecnológicos, encontraram uma porta para um novo mundo, um exemplo muito claro disso são os autistas.

    Veremos como a humanidade se irá adaptar à tecnologia e como a educação poderá acompanhar esta nova realidade.

     

    #ecoimooc14t2; #ecoimooc14t1;#ecoimooc14

  • Cristine há 1796 dias

    Olá, Recebo e processo este teu comentário, Ribães, dentro do carro. Chove forte lá fora. Chuva de verão brasileiro. No CD toca uma música do cantor Uruguaio Jorge Drexle, mas temho que ser rápida pois minha aula de Frances está prá começar. Neste curto espaço ainda respondo a mensagem de meu marido e combino com ele quem vai pegar nossa filha. Saio do carro a chuva me molha e sinto com isso um prazer com a concretude da vida. Obrigada pelas considerações.

  • Cristine há 1796 dias

    Olá Diamoraes,

    semana corrida, só interajo agora com seu comentário...

    creio que sim, por um lado, a alienação é um aspecto talvez intrínseco ao uso de teconologias informacionias pois quando as usamos de algum modo nos alienamos do mundo que está ao nosso redor

    porém, também vemos hoje os grandes movimentos mundiais de protestos que temos assistido relacionados ao papel e a força do uso das redes e das teconologias informacionais, com sua capacidade imediata de compartilhar informações, nosso tema 1 #ecoimooc14t1;#ecoimooc14.

    parece que estamos submetidos a uma "alienação informada" na era da educação digital...

     lembro também do filme que já comentei aqui Maridos, esposas e filhos - que aborda temas que caracterizam os valores amíguos  das gerações que convivem hoje imersas nas sociedades hiperconectadas, associados ao vazio emocional e a dificuldade de entendimento e comunicação 

    sim novos ciclos de sociologização sempre emergindo - trago Paula Sibilia* em seu belíssimo texto - La escuela en un mundo hiperconectado: redes en vez de muros? ( deixarei disponível lá no meu ficheiro)

    a autora coloca as perguntas que me parecem convenientes de serem feitas quando se deseja compreender genealógicamente a escola de hoje enquanto um movimento que responde as  "novas sociologiações" que passa o mundo:"qué tipo de cuerpos y subjetividades se crean hoy en día, al despuntar la segunda década del siglo XXI? cuáles son los tipos de cuerpos y subjetividades que quisiéramos producir hoy en día, pensando en nuestro presente y nuestro futuro como sociedad?"

    quando vc traz lembra da questão do autismo ( com suas dificuldades de comunicação e com certa alienação emocional ?) e de como se adaptam e usufruem positivamente das tecnologias digitais para o aprendizado pode levar  a analogia:

    seriam hoje nossos próprios movimentos comunicacionias e emocionais, talvez similares ao que ocorre com os autistas, e que também nos fazem as tecnologias digitais cair tão bem ?

     a escola é e sempre foi uma tecnologia que se adapta e na verdade produz as nvoas sociologizações

    nada contra ou favor as tecnologias digitais...muito pelo contrário... apenas estamos neste barco e precisamos entedê-lo e navegá-lo da melhor forma que nos couber

    #ecoimooc14t2; #ecoimooc14t1;#ecoimooc14