Porquê tanto foco no plágio?

Gostava de vos "ouvir" sobre isto:

Nesta situação de autoria/plágio e cia., a prova do "fui eu que fiz" é, a meu ver, exacerbada pelo meio escolar e académico! - Cria-se um ambiente de desconfiança, de expetativa de má conduta, que vai influenciar valores, banalizar atitudes.

Porque temos de suspeitar de plágio, sem considerar a presença de indicadores válidos? (discursos variados num mesmo trabalho, diferenças bruscas de produção, deteção por programa)

O que vou conhecendo da educação (sistema escolar) em alguns países nórdicos (e, certamente, haverá por Portugal e pelos outros países aqui representados, alguns "focos" de boas práticas!) mostra-me um sistema alicerçado na confiança - espera-se a atitude correta e atua-se tranquilamente, sem uma perseguição desgastante para ambas as partes.

 

Comentários

  • Ribães há 1731 dias

    Eu diria mais, que a conduta e a ética do homem são reflexos no espelho em que cada um mostra a sua verdadeira imagem; e que, a palavra e a imagem estão tão dotadas de correlação que de tempos em tempos sentem necessidade de procura mutua. A este respeito, destaco as figuras de retórica e as comparações de enlace.

  • Sónia Teixeira da Silva há 1731 dias

    Em termos particulares, ou seja, no que se refere a cada um de nós (ensinantes, aprendentes, cada um de todos), a cultura em que formamos a nossa personalidade vai permitir o criar de ambientes mais ou menos favoráveis que se refletem nos percursos... e, referindo-me a Portugal, incute-se um derrotismo e uma expetativa do pior em nada favorável ao progresso, ao bem-estar.

    Simplificando, ainda mais: não vou atuar de forma errada, por ser isso que se espera, não quero ser espelho de um coletivo ao qual urge quebrar essas más espetativas. Se permitirmos a cada educando assimilar a conduta correta como a "normal", esta chegará a habitual e expetável. (Na realidade, ainda acho que é a mais normal, ainda que a tendência para publicitar as más situações deturpe a observação...)