Homo digitalis - um texto


Olá colegas,

 

Deixo um texto que escrevi há algum tempo, que me parece apropriado partilhá-lo nesta fase de ambientação.

 

Desde sempre a espécie humana procurou novas formas de comunicação. 

Dos tempos primitivos, pinturas nas paredes funcionaram como forma de passagem de uma mensagem, mas a necessidade de comunicar uns com os outros gerou a necessidade de um código coletivo percetível, desde os sinais de fumo ao desenvolvimento de diferentes idiomas. Mas a sede pela comunicação levou à procura por novas vias, que permitissem chegar mais longe.

Assim, treinaram pombos, ensinaram monges, utilizaram cavalos para levar correio de cidade em cidade. A grande evolução teve início com a invenção da imprensa que difundiu grandemente ideias, pensamentos e modos de vida.

Contudo, a revolução chegou com os novos e tecnológicos meios de comunicação, entre os quais a televisão, a rádio, o telefone… que nos permitiram estar mais e melhor informados.

Mas terá esta maior e melhor informação satisfeito a ânsia humana?

Claro que não! Havia ainda a necessidade de se chegar a uma comunicação global, que permitisse atingir tudo e todos.

É essa a Era que gerou o homo digitalis.

É esta a Era que nos redesenha e nos transforma.

É nestes ombros de gigantes que nos sentamos e olhamos o passado com uma certeza: nunca, noutro momento da História, o Homem conseguiu estar presente, ainda que ausente, estar perto, ainda que longe, e informado, ainda que num dilúvio de informações que nos transforma a todo o segundo.

Assim, a Internet surge como o meio onde o Homem atinge esse ciberespaço e desenvolve essa cibercultura.

Estaremos mais superficiais? Não creio!

O que estará então este mundo mais próximo e mais conectado, esta sociedade em rede, a fazer ao pensamento humano?

Julgo que isso mesmo, a torná-lo mais próximo, mais conectado e mais “enredado”. As comunidades virtuais permitem o acesso a um conjunto infinito de informações, que se renovam constantemente.

Este acesso contínuo e massivo a informações a que estamos sujeitos numa simples pesquisa, tão simples e rápida, levanta um conjunto de competências que devemos levar em consideração. Estas pesquisas devem ser selecionadas de forma criteriosa, de forma a conseguirmos, nesse oceano de informações, aquelas que se adequam aos nossos objetivos, de forma a partilharmos informações coerentes, autênticas e bem fundamentadas.

Na nossa prática pedagógica, enquanto professores do Séc. XXI, não podemos fugir a este advento das tecnologias. (...)

@té já!

 Retirado de: https://mpelianismo.wordpress.com/2014/12/05/imoocando-semana-2-comentario-pessoal/

 

 

Bibliografia:

Castells, M(1999). A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999. v. 1

Lévy, P. (1999). Cibercultura. São Paulo: Editora 34.

 

Comentários

  • Ana Toscano há 1453 dias

    Olá Hélder,

    a tua reflexão vai ao encontro das ideias que temos vindo a trocar ao longo destes meses.

    Uma visão realista de como o processo ensino aprendizagem terá de se processar nesta sociedade em que vivemos... sempre conectada e em constante alteração.

  • Hélder Pereira há 1452 dias

    Olá Ana,

     

    Efetivamente nós somos um exemplo desta fantástica partilha e crescimento :)

    Bjinhos e até já!

    #ecoimooc15t0

     

  • Ana Rodrigues há 1452 dias

    Gostei muito da tua reflexão Helder, não só por estar muito bem construída mas porque vai muito de encontro à minha própria visão evolutiva e ao que tento tantas vezes fazer chegar a terceiros na minha profissão. Enquanto professores e formadores considero que temos mesmo a obrigação de apelar a esta reflexão e possibilitar um conhecimento mais direccionado. E o caminho ainda agora começou..

    @té já!

  • Hélder Pereira há 1452 dias

    Obrigado Ana :)

  • saraduarte há 1452 dias

    Olá Hélder,

    Uma boa reflexão sobre o tema, obrigada pela partilha. E de facto, o professor do século XXI tem de estar preparado para utilizar os meios tecnológicos que tem à disposição e rentabilizá-los em contexto educativo.

    Até já

  • Hélder Pereira há 1452 dias

    Obrigado Sara... Umas pequenas palavras para um tema tão gerande e tão enriquecedor...e nos acompanhará nesta jornada :)