Comentário e questões relativas ao vídeo 1 - #ecoimooc15t1

Vivemos actualmente naquilo que cientistas e investigadores determinam de uma sociedade mediatizada, em que as tecnologias e a internet transformam profundamente maneiras de agir, pensar e sentir. Neste “mundo novo” nada é fixo, permanente, não há memória, tudo é digital e neste sentido desfaz-se em seguida. A velocidade é alta e há a construção de mundos para onde pessoas se podem transportar virtualmente, estar em contacto, pesquisar, aprender e partilhar.

Como refere no vídeo somos quotidianamente inundados com imagens, sons, textos, que apelam aos nossos sentidos distraindo-nos assim daquilo que já consideramos ser o mais importante. Numa abordagem microssociológica, as consequências negativas deste fenómeno dizem respeito sobretudo às relações entre pares devido ao forte aumento do rompimento de laços e vínculos sociais. Caminhamos num sentido ascendente para um maior individualismo, tornando-nos cada vez mais superficiais, consumistas e prosaicos.

Com o uso da internet assistimos a uma forte substituição da interacção face-a-face pela interacção mediada, através das redes sociais, entre outros. Evoluímos num sentido tecnológico e aumentamos assim a expansão dos riscos, do perigo, da insegurança.

Não obstante encontramos também fortes influências no processo de aprendizagem dos indivíduos. Como refere o vídeo, estamos constantemente distraídos com os «beep» dos nossos «gadgets». Esperamos ansiosamente um comentário, um «like», ao fim ao cabo, a aceitação por parte dos outros e a integração total no mundo digital. Contudo é necessário ter em conta que o facto de a nossa atenção estar constantemente dividida pelos últimos modelos de tecnologia que possuímos faz com que detioremos o processo mais importante na vida de cada individuo, o processo de aprendizagem, transformando-nos em seres dotados de uma inteligência efémera, onde o saber, a memória e a experiência deixam de ocupar lugar e se transvertem num processo passageiro à espera de um «delete».

Neste sentido algumas questões surgem: De que forma podemos moderar a utilização da Internet? Isto é, que mecanismos criar para equilibrarmos a balança de forma a utilizarmos as ferramentas que o novo mundo digital nos apresenta e a retermos aquilo que é essencial, que é importante?

Questiono-me ainda acerca das implicações do uso da internet em relação à desatenção e distracção que o autor foca, isto no que tange às relações entre indivíduos.

Penso que todas estas inquietações passam por criarmos um processo de ensino-aprendizagem que dê enfoque às utilizações benéficas e moderadas da internet. Usar sim, partilhar sim, investigar sim, procurar sim, mas devemos também trabalhar numa melhor organização e gestão do nosso tempo, de maneira a obtermos mais ganhos e vantagens para as nossas sociedades.

Comentários

  • Carlos Seco há 1661 dias

    Olá Mariana, parabéns pelo teu lindo texto. Só quero acrescentar, e para reforçar o teu último parágrafo, que essa maneira considero que tem a ver com a metodologia que os professores tem que saber usar dentro da sala de aula. Não podemos continuar a utilizar as novas tecnologias se os processos de criação são os mesmos do século passado, os alunos usam agora o computador e o PowerPoint e apenas copiam e colam informação para a relaização de uma apresentação. Temos de mudar o método de aprendizagem, usar as tecnologias é pesquisar, discutir, trabalhar em equipa, encontrar soluções, gtrabalhar por projetos...enfim muitas competências a desenvolver em que a tecnologia é a ferramente de agilizar essas tarefas.

    #ecoimooc15t1

  • marianaslteixeira há 1660 dias

    Olá, muito obrigado pelo seu comentário. Concordo plenamente consigo, infelizmente encontramos muitas vezes casos de plágio em que o aluno pensa que fez o esforço pretendido (investigou, encontrou e colou) por isso é nossa função mudar essas mentalidades e criar esses métodos que fala no sentido de o esforço ser maior. Muitas vezes encontro nos meus estudantes uma dificuldade imensa na análise e interpretação dos conteúdos que recolhem. Essa é sem dúvida uma das maiores dificuldades e um dos maiores obstáculos a ultrapassar. Criar competências digitais passa por ensinar a tirar o melhor partido da investigação, análise e interpretação daquilo que encontramos online ;)

    Mais uma vez obrigado!

    #ecoimooc15t1