Competências digitais do professor do Séc. XXI

A Web 2.0 ou Web Social, “permite que as pessoas interajam de forma participativa, dinâmica e horizontal, ampliando as chances de construir coletivamente novos conhecimentos, fruto das intensidades relacionais ocorridas no ciberespaço” (Torres & Amaral, 2011: p. 51)[1]. Termos como “Inovação”, “criatividade” e “inclusão” são outros termos muito evidenciados por Torres e Amaral (2011) uma vez que possibilita a adoção de novas estratégias didáticas e pedagógicas, através do recurso a ferramentas dinâmicas e flexíveis, capazes de se adaptarem a diversos públicos e contextos, dando resposta a estilos, interesses e necessidades individuais (Redecker et al. , 2009).

Segundo Siemens (2010) são seis as competências-chave que os professores devem possuir para serem educadores do século XXI[2]:

1. Competência técnica – necessária para saber usar a tecnologia ao seu dispor, seja ela o retroprojetor, o computador, o iPad, ou outra qualquer.

2. Experimentação – o professor ou educador, através do conhecimento dos alunos e da constante experimentação de tecnologias e pedagogias, deve aprimorar as metodologias de ensino e aprendizagem de modo a conseguir imprimir as dinâmicas de sala de aula mais adequadas aos contextos.

3. Desenvolver a autonomia do aluno – sendo o objetivo mais importante a desenvolver no aluno (organizar conteúdos, estruturar atividades de aprendizagem, definir formas de aceder ao conhecimento, etc.), ajudando a definir a sua própria aprendizagem.

4. Estimular para a criação – levar os alunos a criar os seus próprios artefatos digitais (blogues, podcasts, SecondLife, vídeos, mapas conceituais, etc.) ou a artefatos físicos (modelos, esculturas, estruturas de lego, etc.).

5. O Jogo (formal ou informal) – atividade de caráter intencional que deve ser mais explorada como estratégia de ensino e aprendizagem.

6. Ter capacidade de lidar com a complexidade – os professores devem estar preparados para entender e orientar os alunos de modo a perceberem o funcionamento sistémico e complexo do mundo, gerador de acontecimentos que dificilmente podem ser previstos. Neste sentido, os sistemas educacionais devem passar a dar maior atenção à preparação para lidar com a complexidade, procurando encontrar “respostas certas contextuais", em detrimento de “respostas certas gerais”.

[1] Consultado através do site http://wiki.ua.sapo.pt/wiki/Dimens%C3%A3o_Professor , 06-05-2015.

[2] Idem.