Comentário do Texto 3

Com tanta informação disponível na rede, parece fácil fazer cópias de textos e se apropriar deles. Como o texto 3 aponta, é necessário se colocar no lugar do "plagiado", será que gostaríamos de ter nossas ideias sendo partilhadas de modo errôneo e sem a devida citação? A ética profissional está em pauta nos dias atuais e nos traz questões como essas para serem refletidas.

Acredito que esta postura deve ser apurada desde cedo com nossos alunos já no Ensino Fundamental e Médio, no caso do Brasil.

Para ilustrar, segue um vídeo sobre Direitos Autorais:

<https://www.youtube.com/watch?v=Ij71wtu5_J4>.

 

Comentários

  • Rifaustino há 1682 dias

    é essencial começar muito cedo a lutar contra o plágio. conseguir-se-á algo? só o futuro o dirá. não pode é ser só a escola a fazer isso também tem de vir de casa em especial e da comunidade em geral.#ecoimooc15t1

  • Carlos Seco há 1682 dias

    Concordo perfeitamente. É uma luta que passa para além do campo escolar, é uma educação e uma consciência que devemos incutir nos nossos filhos e nos nosssos alunos, para que pouco a pouco se tenha e se ganhe essa consciência de respeito pelo autor e dos seus direitos.

    #ecoimooc15t1

  • Ana Toscano há 1682 dias

    Sem duvida colegas, a prevenção e a aposta na sensibilização para a falta de ética e onestidade é fundamental. Devemos chamar a atenção para esse comportamento que é generalizado e por vezes aceite pela sociedade com muita frequencia. 

    Batalhar sobre este assunto junto dos mais jovens já seria um bom começo.

    #ecoimooc15t1

  • Ana Ferreira há 1681 dias

    É realmente essencial mostrar como o plágio é nocivo, acabam por não aprender e isso mais tarde refletir-se-á na sua vida académica. 

    #ecoimooc15t1

  • Selma_Bessa há 1680 dias

    Olá pessoal às vezes não é questão apenas de “tomar medidas mais enérgicas” contra plagiadores, mas de conscientizar e refletir junto aos professores e alunos sobre a propriedade intelectual para criar alunos autores sem vícios do “copia e cola na internet”.

    Abraços,

    Selma Bessa