Complexidade do papel da escola

Por Sandra Galante há 1598 dias Comentários (4)

Desenvolver qualquer atividade profissional no contexto da educação implica, entre muitas outras exigências, a consciência da necessidade de atualização constante (autónoma, no âmbito de formação continua organizada…), tendo como certo que estaremos sempre atrasados relativamente ao presente, ou seja, à realidade dos estudantes com e para quem trabalhamos. Exceção feita à educação de adultos, os nossos alunos são todos nativos digitais: dominam (melhor que nós) as tecnologias digitais. Mas, note-se, usam-nas para fins específicos, geralmente para entretenimento, socialização e - menos - para aprender (neste último caso, provavelmente correspondendo a trabalhos solicitados pelo professor). No ciberespaço usam uma escrita livre e/ou baseada em signos diferentes. Nos trabalhos académicos devem elaborar texto, respeitando preceitos clássicos. E nesse mundo, cúmulo de abundância de informação, o «copy paste» está apenas à distância de alguns cliques (quase sem pensar).

O desafio da escola é o de fazer o aluno aprender num contexto de valores e de instrumentos cognitivo-epistemológicos que enquadrem a procura e tratamento da informação e que permitam ao aluno, em vez de copiar, de repetir, «re-criar», produzir, através de uma leitura crítica e reflexiva que lhe possibilite analisar e interpretar a informação, numa relação dialógica com o(s) autor(es).

Este trabalho abarca questões legais, relativas a interações, partilhas, trocas, publicitação,… e o desenvolvimento de novas relações quanto à autoria e produção de novos usos intelectuais.

É certamente um mundo complexo e desafiante que, em meu entender, deve coexistir com um mundo físico, de olho no olho e mão na mão, no qual os adultos percebam a indispensabilidade de um projeto de educação integrada, onde caiba a problematização, por exemplo, de questões éticas.

Comentários

  • Maria_Rosa há 1597 dias

    O aluno deve aprender a aprender e aprender a ser. Por isso, é muito relevante tudo o que escreveu. Esse projeto de educação integrada é um desafio cada vez mais importante e urgente, pois de pouco serve lamentarmos as más práticas dos alunos, se não soubermos refletir, definir objetivos e delinear estratégias para lhes mostrar outro caminho.

  • Sandra Galante há 1597 dias

    Maria Rosa, apercebi-me de que desempenha funções na Biblioteca Escolar. Trata-se de um espaço privilegiado para o trabalho neste âmbito, em articulação com o currículo, não? Um abraço

  • João Carvalho há 1596 dias

    Partilho com tudo o que escreveu. Estamos perante a necessidade de uma reflexão por parte da escola para encontrar um caminho, que terá de ser várias vezes revisto, adaptado e modificado, para que o recurso da internet seja uma mais valia na aprendizagem dos alunos, quer ao nível das ferrematas adquiridas, quer ao nível dos conhecimentos obtidos e ainda ao nível dos valores pelo comportamento ético. E todas estas dimensões fazer parte da formação que a escola deve promover.

  • Sandra Galante há 1596 dias

    João Carvalho, o trabalho a fazer, em meu entender, tem de ser explícito e intencionalizado, pois o volume de informação é de tal forma grande que «plagiar» se tornou um fenómeno com subtilezas e armadilhas novas e o «crime» é até, por vezes, involuntário... Concordo consigo, o papel da escola é fulcral! Penso mesmo que o ensino superior tem também um papel determinante a desempenhar neste trabalho... O que acha? Um abraço