A Aprendizagem Colaborativa

O conceito de aprendizagem colaborativa, relacionado ao conceito de aprender e trabalhar em grupo, embora se pareça recente, já foi bastante testado e implementado por teóricos, pesquisadores e educadores desde o século XVIII. Na década de 1970, por exemplo, houve muita produção na área da aprendizagem cooperativa e colaborativa. Mas somente na década de 1990 esse tipo de aprendizagem ganhou popularidade entre os professores do Ensino Superior e, como exemplo disso, autores como David, Roger Johnson e 3 Karl Smith adaptaram a aprendizagem cooperativa para a sala de aula das faculdades e escreveram um livro chamado Aprendizagem Ativa: Cooperação na Sala de Aula Universitária (IRALA e TORRES, 2004). No entanto, quando se trata de aprendizagem colaborativa e de aprendizagem cooperativa, alguns estudiosos consideram que esses termos, apesar de possuírem definições similares, apresentam diferenças no que diz respeito às perspectivas teóricas e práticas; outros, porém, utilizam-nos como se fossem sinônimos. Para fins didáticos, neste artigo o termo a ser utilizado será o de aprendizagem colaborativa. Certos autores caracterizam a aprendizagem colaborativa como sendo uma estratégia de ensino-aprendizagem; para ARAÚJO e QUEIROZ (2004), por exemplo, “aprendizagem colaborativa é um processo onde os membros do grupo ajudam uns aos outros para atingir um objetivo acordado.” CAMPOS et al (2003, p. 26) considera essa aprendizagem como “... uma proposta pedagógica na qual estudantes ajudam-se no processo de aprendizagem, atuando como parceiros entre si e com o professor, com o objetivo de adquirir conhecimento sobre um dado objeto.”

Comentários

  • claudia_queiros há 1574 dias

    Caro Colega,

    É verdade que hoje em dia a vertente colaborativa é mais visível, este tipo de aprendizagem consiste na partilha que por si só é uma mais valia para todos os intervenientes.

    Cumprimentos,

    #ecoimooc15, #ecoimooc15t3

    Claudia Queirós

     

  • ReinaldoMayer há 1573 dias

    Gostei deste trecho em nosso material de referência, com ideias esclarecedoras, de autoria de Paulo Dias e Isolina Oliveira:

    "

    A interação proporcionada pela aprendizagem colaborativa obriga os alunos a ir clarificando cada vez mais o que pensam sobre algo e a alargar o seu ponto de vista pessoal, levando-os a uma apropriação individual do saber ou, pelo menos, ao reconhecimento do que ainda é preciso para que essa apropriação fique completa (Santos et al. 2010). A realização de tarefas onde se aprende com os outros é “uma fonte de satisfação pessoal e não de medos e frustrações” (p. 85).
    O papel do professor, neste contexto de aprendizagem, aproxima-se daquele que é proposto por Altet (2000), o professor já não comunica “um saber-conteúdo feito” (p. 168) mas “guia, acompanha o aluno nas suas investigações, experiências, actividades e iniciativas e ajuda a definir problemas; leva-o a formular questões, a analisar dados, a ensiná-los a construir uma resposta; adapta as suas intervenções às necessidades de cada um” (p. 168), desenvolvendo uma “nova relação dialética professor-alunos” (p. 168) que reforça a aprendizagem."