Escola do futuro

Escola do futuro professores e estudantes escrevem nos ecrãs dos tablets e de quadros interativos, onde o acesso à Internet é permanente. Vamos ter uma escola sem papel?#ecoimooc3 , #ecoimooc3t1 

Comentários

  • Selda Costa há 1287 dias

    O futuro nos dirá! Que dizem? #ecoimooc3 , #ecoimooc3t1 

  • Maria Antónia Grenho Marques Rodrigues há 1287 dias

    Estimada Selda!

    Por muito adepta que seja das novas tecnologias (e sou-o realmente) não posso considerar a hipótese de que no futuro não haja papel nas escolas, nomeadamente que os livros estejam apenas em formato digital. Acho errado as atitudes de tecnofobia, mas igualmente encaro negativamente o imperialismo tecnológico. Se me perguntarem, por exemplo, se gosto de ler Eboks, a minha resposta será positiva, tal como o seria se me fizessem a mesma pergunta em relação aos livros em formato papel. Isto porque gosto de ler e não me importo de ler em qualquer formato. Um bom livro será sempre um bom livro independentemente do formato em que esteja. No entanto, o toque do papel, o cheiro do livro "novo" acabadinho de sair da livraria, o cortar de algumas das páginas qando estas ainda não foram tocadas por ninguém, são apenas algumas das coisas que apenas um livro em papel nos pode dar e que eu quero que os meus alunos continuem a sentir. O fazer anotações nos livros ( eu gosto de personalizar os "meus" livros) é uma sensação única que não gostaria de perder.

    Eu defendo que ambos os formatos (digital/papel) nos oferecem a possibilidade de usufruir do prazer da leitura e isso é que é importante e que continuará sempre a existir público para ambos, pelo que um não deverá sobrepor-se ou substituir-se ao outro ocasinando o seu desaparecimento. Mesmo com todas as preocupações ecologistas que tenho, é assim que eu penso.

    #ecoimooc3 , #ecoimooc3t1 

  • Gerson de Freitas Junior há 1287 dias

    Prezada,

    penso que mesmo com todos os avanços tecnológicos, simples instrumentos ainda serão utilizados, até pensando-se em sustentabilidade. Quanto mais tecnologia nas escolas, mais recursos naturais são necessários para equipá-las com computadores, laboratórios, instrumentos de medição. Como sou de uma área que valoriza muito a experiência prática de campo (Geografia), mesmo como o desenvolvimento do Sensoriamento Remoto e das Geotecnologias, ainda se faz necessário utilizar a boa observação e a descrição, o contato direito com o objeto de estudos. O caderno de campo ainda é esencial. #ecoimooc3t1,  #ecoimooc3

  • Gerson de Freitas Junior há 1287 dias

    Penso que cheiro de livro (novo ou velho) ainda é e sempre será cheiro de livro. #ecoimooc3t1,  #ecoimooc3

  • Rui Pacheco há 1287 dias

    As quase permanentes revoluções tecnológicas dos últimos anos aplicadas à educação não passam, muitas vezes de modas. Há uns anos atrás, quando os retroprojetores chegaram às escolas, parecia o último grito, onde os alunos iam mesmo aprender, uma vez que passavam a "ver" o que estava ser ministrado. A telescola foi outra inovação em que as tecnologias de então pareciam resolver o problema onde o ensino regular não chegava e, em certos locais, concorria com este. Atualmente, temos o e-learning. Não duvidando das potencialidades desta forma de ensino, estou convicto de que, neste tipo de ensino, ha lacunas que persistem (por maior interatividade que haja) que só o contato presencial pode superar. #ecoimooc3 , #ecoimooc3t1 

  • Manuela_Palma há 1285 dias

    E as memórias? Eu considero que os livros as agarram. A leitura digital já não.

    Quando pegamos num livro que já lemos, não somos transportados para o passado? Onde estávamos? como nos sentiamos?