Relevância do tema 1

Os aspetos abordados neste tema são, sem dúvida, pertinentes e relevantes.

Atualmente, para a maioria dos alunos, o verbo pesquisar só tem um significado: “googlar”. Constato este facto no meu dia-a-dia enquanto professor bibliotecário. Raros são os alunos que ainda recorrem aos documentos em papel para realizar uma pesquisa. Alguns recorrem propositadamente ao computador para usar o dicionário online, quando a versão em papel está ali mesmo “à mão de semear”.

Verifico também que após terem encontrado alguma informação acerca do assunto que pretendem, o critério para seleção de informação relevante é… nulo, ou quase. Depois de uma leitura na diagonal, copiam dois ou três parágrafos, colam no processador de texto e… só falta a bibliografia/webgrafia que, regra geral, não existe ou então resume-se a indicar que a fonte de informação foi o Google.

Em termos de partilha do resultado final, esta é feita através de um Powerpoint sobrecarregado de ruído visual, slides que parecem folhas de texto e esquemas de “layout” desadequados.

Será apenas culpa dos alunos que não sabem pesquisar? Serão os alunos apenas preguiçosos para pesquisar e trabalhar a informação?

O que constato na biblioteca é que os alunos chegam para fazer uma pesquisa sem qualquer tipo de orientação, roteiro ou guião de trabalho. Quando lhes pergunto pelo guião, a resposta é em 95% dos casos “Não tenho. O stôr não deu nada disso.” Se pergunto qual é o tema do trabalho, a resposta é, por exemplo: “Ah… é sobre a poluição.” Na tentativa de ajudar a estruturar o trabalho, questiono, por exemplo: “Que aspetos da poluição? Algum em particular? O que pretendes saber em concreto?” A resposta é, regra geral: “Ah… o stôr só disse que era para fazer um trabalho sobre a poluição, para entregar daqui a x dias”.

Perante esta situação, a questão que se coloca é: Não serão também os professores parte do “problema”? Estarão os professores preparados para ajudar os alunos a desenvolver competências na literacia dos média e da informação?

Atenta a tudo isto, a Rede de Bibliotecas Escolares preparou um documento - Referencial de Aprendizagens “Aprender com a Biblioteca Escolar – que ajudará professores e alunos a pesquisar, selecionar e partilhar informação de acordo com as normas, de forma ética, permitindo de forma mais eficiente transformar a informação em conhecimento.

Recordo ainda o caso dos computadores Magalhães, no 1º ciclo do ensino básico. Nunca foram realmente aproveitados como deviam porque os professores não se sentiam/não estavam preparados para lidar com as TIC.

Assim sendo, parece-me que o tema abordado nesta primeira unidade faz todo sentido.

Comentários

  • Teresa Alexandra Canedo há 1482 dias

    Concordo. Hoje em dia pesquisar é apenas copiar e colar. Muitas vezes sem fontes nem bibliografia, com trabalhos em brasileiro e sobretudo sem qualquer espírito crítico :(

     

  • Maria Antónia Grenho Marques Rodrigues há 1482 dias

    Boa tarde, Nelson!

    Compreendo o seu comentário e até aceito que haja alguns professores que não forneçam as orientações devidas para que os alunos consigam elaborar um trabalho de pesquisa. No entanto e apenas como ilustração de uma situação muito comum, quantos professores apesar lhes ensinarem e exemplificarem a forma de fazer as Referências Bibliográficas se deparam depois nos trabalhos com incorreções e mesmo pela total ausência destas? As generalizações são sempre muito perigosas, pois igualmente se pode referir que enquanto existem alunos que querem rapidamente despachar-se das tarefas que lhes são propostas entregando trabalhos sem qualquer cuidado ou rigor, existem, e felizmente, ainda aqueles que são esmerados e estando atentos e motivados nas aulas conseguem fazer das apresentações verdadeiras obras-primas.

    E depois há aqueles que leem e os que não leem nada mais para além daquilo que são "obrigados" para elaboração dos diversos trabalhos da aula. Sem dúvida que esses hábitos (ou a falta deles) de leitura igualmente poderão explicar as dificuldades que os alunos têm na pesquisa, seleção, análise e estruturação da informação. Fazer com que os alunos adquirem esse "gosto" pela leitura é que é o grande desafio para todos e admiro imenso o trabalho desenvolvido pela bibliotecas escolares nesse sentido.

    Bom fim de semana.

    Um abraço!

    Maria

    #ecoimooc3; #ecoimooc3t1

  • Nelson Barradas há 1482 dias

    Olá Maria Antónia,

    o que eu quis realçar é que a maioria dos professores não fornece guiões de trabalho aos alunos. Porém também os há que fornecem excelentes guiões, inclusive com indicação dos sites e dos documentos que devem ser objeto de pesquisa. Estes alunos sentem-se mais apoiados, menos perdidos e como tal não têm desculpa para apresentar um trabalho que não esteja dentro das regras definidas.

    Concordo totalmente consigo. Generalizar pode ser perigoso.

    Bom trabalho e bom fim de semana

    Nelson

    #ecoimooc3; #ecoimooc3t1

     

  • Jerónimo Fernandes há 1482 dias

    Olá Nelson ,

    concordo consigo, quando refere que a maioria dos professores não fornece guiões de trabalho aos alunos. Na minha opinião, os trabalhos de pesquisa na Internet não são muito "levados a sério" (com rigor e exigência) pelos professores e consequentemente pelos alunos. Considero que isso acontece devido aos professores e escolas não estarem bem preparados para ajudar os alunos a desenvolver competências digitais.

    Cumprimentos,

    JF

    ecoimmoc3ecoimooc3ti

  • Sofia Nogueira há 1482 dias

    Olá Nelson!

    também partilho da mesma opinião. Actualmente, a Internet facilita imenso o acesso à informação e tem sem dúvida muitos aspectos positivos, mas das vantagens também surgem as desvantagens...o facilitismo provoca de certa forma falta de dedicação por parte dos alunos, pois estes, tal como diz no seu texto, apenas fazem uma leitura diagonal, seleccionam as informações ao acaso (muitas sem terem grande relevância) e o trabalho fica feito! 

    Mas em resposta à sua pergunta, penso que os professores são também responsáveis quando isto se sucede, pois é necessário dar instruções e guiar os alunos adequadamente para que estes possam corresponder às expectativas esperadas, mas acima de tudo, para que estes aprendam a desenvolver competências na área das TIC.

    Cumprimentos,

    Sofia