PONDERAÇÃO SOBRE A CRIANÇA E UMA APROXIMAÇÃO PRECOCE ÀS TECNOLOGIAS DIGITAIS. Agradeço comentários ao tema. Obrigada

PONDERAÇÃO SOBRE A CRIANÇA E UMA APROXIMAÇÃO PRECOCE ÀS TECNOLOGIAS DIGITAIS

O desenvolvimento da criança de zero a cinco anos é um processo no qual as capacidades são adquiridas, envolvendo a linguagem falada e corporal, o raciocínio, a memória, a atenção e os sentimentos, dentre outros. É a fase de maior incorporação qualitativa das capacidades individuais da infância.

Em relação à incorporação de conhecimentos, valores e habilidades, que são próprias de cada cultura e sociedade, muitas condutas influenciam diretamente na educação das crianças e influenciam a forma como a sociedade se organiza e se relaciona.

As crianças que ao nascer são extremamente dependentes, a partir do aparecimento da linguagem aumentam as suas relações com os seus iguais, com adultos e outros seres.

A partir do primeiro ano de vida, quando no início os movimentos são apenas involuntários e reflexos inicia-se o aprendizado de movimentos conscientes e voluntários, possibilitando uma melhor interação com o seu meio ambiente.

Os pais e educadores necessitam oferecer apoio emocional e físico às crianças.

A partir da aquisição da marcha os relacionamentos da criança se ampliam com a possibilidade de maior contato com o meio ambiente, a criança deve ser cercada de muitos cuidados pois nessa fase é comum a exploração de objetos com a boca. Essa fase prolonga-se pelo menos até os três anos de idade.

Os brinquedos têm que ser grandes para evitar a ingestão ou aspiração e para facilitar o manuseio por parte da criança que ainda não tem movimentos muito precisos e coordenados. Nas faixas etárias mais precoces o ideal é usar estratégias para facilitar o desenvolvimento das capacidades visuais, auditivas, olfativas, gustativas e tácteis, a exemplo: conversar com a criança, contar estórias, ouvir músicas, etc. também favorecer as percepções introspectivas como cores, sabores e odores de alimentos. Contato com diferentes materiais e superfícies: lisas, rugosas, quentes, frias, etc.

Por volta dos dois anos de idade existem o início do controle esfincteriano (micção e evacuação) e a função dos pais e educadores é facilitar esse desenvolvimento de forma criativa e agradável.

O desenvolvimento cognitivo e aquisição de conhecimentos nas crianças de baixa faixa etária ocorrem a partir das percepções internas e externas e da ação que cada criança pode ter sobre os objetos para conhecer suas características e como ela mesma pode influenciá-los.

Portanto a inteligência sensório-motora segundo Piaget é fonte de conhecimento baseada nas ações da criança sobre os objetos, provocando sensações e estabelecendo relações a partir das quais essas ações vão se repetindo e diversificando para captar a realidade. Só mais tarde se consolida a função simbólica para evocar um objeto ou adivinhar o que não está presente e isso depende da aquisição da linguagem, que permite um acesso maior ao mundo.

A partir do 4º e 5º anos de vida, assim como durante toda a vida, as experiências relacionadas com o corpo vão construir o esquema corporal próprio de maneira totalmente individual. A partir do movimento e das ações que realiza a criança conhece seu próprio corpo e possibilidades, permitindo maior precisão e consciência da situação, do tempo e do espaço e facilitando o brincar.

Nessa fase o educador, a partir de jogos, desenho, escrita e simbolismos ajuda a criança a compreender o mundo apesar de ainda apresentar um raciocínio incompreensível para o adulto, com dificuldade de distinguir o que é natural do que é artificial, tendendo a valorizar os seus pontos de vista pessoais, sem saber ainda abranger as situações como um todo.

Concuíndo, os conteúdos para a primeira fase da infância devem respeitar a individualidade e exigir a atenção às reações e manifestações da criança para poder conhecê-la e reconhecer suas necessidades e potencialidades e desenvolver um vínculo afetivo é condição essencial para o sucesso.

É fundamental também oferecer opções ao invés de simplesmente proibições. Evitar o “NÃO”, fornecendo alternativas às ações ou reações indesejadas da criança.

Tendo em conta que o desenvolvimento da criança de zero a cinco anos é um processo no qual as capacidades são adquiridas, que benefícios para o seu desenvolvimento se pode retirar de uma aproximação precoce às tecnologias digitais?

Quais as competências digitais que os professores devem possuir e qual o papel que as tecnologias digitais podem desempenhar?

 

Referências:

  • AMATO, Alcione Amorim Gomes, O Papel do professorde educação infantil e o processo ensino-aprendizagem de crianças inclusivas, Monografia, Universidade de Brasilia,

 http://bdm.bce.unb.br/bitstream/10483/3238/1/2011_AlcioneAmorimGomesAmato.pdf

  • BARBOSA, Ana Mae, Arte-Educação no Brasil, Realidade hoje e expectativas futuras, tradução Sofia Fan, http://www.scielo.br/pdf/ea/v3n7/v3n7a10.pdf.
  • BROWN, Roger, Psicologia Social, siglo veintiuno editores, sa, México, 1974.
  • EDWARDS,C. As cem linguagens da criança: a abordagem de Reggio Emilia na educação da primeira infância. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.
  • FARIA, A.L. et all. Educação Infantil Pós-LDB: rumos e desafios. São Paulo: Autores Associados, 1999.
  • FILHO, Fernando Wagner Ferreira, Educação infantil: As formas de mediação na atividade parque e as influências no brincar da criança, Universidade estadual de Campinas, 2009
  • FREINET,C. A pedagogia do bom senso. São Paulo: Martins Fontes, 1973.
  • GALVÃO,H.. Henri Wallon: uma concepção dialética do desenvolvimento infantil. Petrópolis: Vozes. 2.ª Ed., 1995.
  • GARCIA, R.L. Em defesa da educação infantil. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.
  • GARDNER, H. A criança pré-escolar: como pensa e como a escola pode ensiná-la. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.
  • LAROSSA, J. O enigma da infância: ou o que vai do impossível ao verdadeiro. In Pedagogia profana: danças, piruetas e mascaradas. Porto Alegre: Contra Bando, 1998.
  • OLIVIER, Gabriella Chaves, A importância do brincar na Educação Infantil, Monografia, Universidade Veiga de Almeida – UVA, Rio de Janeiro – 2012, http://www.pedagogiaemfoco.pro.br/edinf04.pdf
  • PIAGET, Jean, A Construção do Real na Criança. Trad. Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Zahar, 1970. 360 P.
  • PIAGET, Jean, A Formação do Símbolo na Criança. Imitação, jogo e sonho, imagem e representação. Trad. Alvaro Cabral. Rio de Janeiro: Zahar, 1971.
  • ROSEMBERG, F. et all. Creches e pré-escolas no hemisfério norte. São Paulo:Cortez -FCC,1994.
  • VYGOTSKY, L. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1996
  • ZABALZA, M. Qualidade em educação infantil. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.
  • A arte de contar histórias na educação infantil: Qual o papel do professor/mediador? http://repositorio.ucb.br/jspui/bitstream/10869/888/1/A%20arte%20de%20contar%20hist%C3%B3rias%20na%20educa%C3%A7%C3%A3o%20infantil%203.pdf
  • A Importância da Afetividade na Relação Professor/Aluno no Processo de Ensino/Aprendizagem na Educação Infantil, http://www.facsaoroque.br/novo/publicacoes/pdf/v4-n1-2013/Tagides.pdf
  • A literatura infantil como recurso para aquisição da linguagem da criança,

 http://www2.unimep.br/endipe/2844p.pdf

  • A mediação do professor e o brinquedo como suporte de aprendizado,

http://www.nivaldomossato.com.br/psicologia.php?IdPsicologia=3

  • Brincar e mediação na escola,

 http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-32892012000300008&script=sci_arttext

  • O brincar e a criança: Implicações da teoria de Jean Piaget,

http://www.psicopedagogia.com.br/artigos/artigo.asp?entrID=1188

Comentários