Transversalidade e BE

Assistimos, atualmente, a uma evolução vertiginosa das tecnologias que estão a alterar a nossa forma de aceder à informação, como aprendemos, como produzimos informação, como comunicamos e até como interagimos com os outros.

Hoje, a par das literacias mais tradicionais, impõem-se a literacia digital. A escola é permeável a estes desenvolvimentos e tem um papel primordial na preparação dos futuros cidadãos, pois deve muni-los dos conhecimentos e competências necessárias à sua plena integração social. Uma vez que as tecnologias se disseminaram em todas as áreas e sectores da vida e do lazer é importante que, ao sair da escola, o aluno se sinta preparado para lidar com elas. A escola e os professores têm uma responsabilidade acrescida para não se tornarem obsoletos.

É preciso que professores, gestores e coordenadores estejam preparados para as transformações, a fim de vencer as resistências advindas da cultura tradicionalista, muitas vezes caracterizadas pela acomodação pessoal, insegurança, receio de propor atividades interdisciplinares; adquiram conhecimentos sobre as especificidades das TIC, da Internet e sensibilizem-se para as alternativas trazidas pela introdução das TIC e o que estas irão contribuir para a prática pedagógica e à melhoria da qualidade do ensino e da aprendizagem.

Neste contexto, aparecem as metas de aprendizagem na área das TIC no currículo nacional do ensino básico, sendo assumidas como formação transdisciplinar, contudo não se tem verificado na prática, uma vez que se têm registado como mais uma área disciplinar. Considerando-se, ainda assim, uma mais-valia, uma vez que desenvolvem as competências em áreas como informação, comunicação, produção e segurança, por sua vez pilares da literacia digital e suporte das outras literacias.

A BE é um elo de ligação entre os alunos, os professores, os currículos, é um recurso ao serviço destes intervenientes, para a sua atividade, tendo também um papel importante nesta odisseia das literacias: da leitura, dos média, da informação e digitais. Hoje, a BE está devidamente apetrechada quer física, quer humanamente, para apoiar o desenvolvimento das diferentes competências, incluindo as digitais, tendo contribuído a introdução da internet que abriu as portas ao acesso dos diversos modelos e suportes da informação.

A nossa visão de professores bibliotecários será sempre a de desenvolver competências nos alunos, as competências para o século XXI, transversiais e transdisciplinares, para aprender a aprender e para aprender ao longo da vida. É assim que temos de olhar para o currículo. Sendo a biblioteca o pólo dinamizador a agregador do projeto, não pode deixar de ter como referência tanto as metas transversiais na área das TIC (que explicita as competências a desenvolver nas diferentes etapas, nos diferentes domínios) como os denominados "conhecimentos/capacidades" do referencial "Aprender com a Biblioteca Escolar".

Com a crescente disponibilidade de informação em formatos eletrónicos, é crucial para os leitores/utilizadores dirigirem-se não apenas à biblioteca, mas sobretudo ao bibliotecário, para a satisfação de suas necessidades de leitura e de informação. O papel dos bibliotecários será redimensionado : trabalhar com frequência como instrutores e guias de uma geração de leitores cuja educação está envolvida com as novas tecnologias da informação. Para tanto, necessitará de aprender as especificidades da pesquisa de informação. Os bibliotecários não só estarão a passar para os leitores aquilo que tradicionalmente era considerado como a sua capacidade profissional específica, mas a fornecer treino, Ser competente nos domínios da leitura (interpretação e produção de texto), da informação (planeamento, pesquisa, tratamento e síntese da avaliação) e das tecnologias (utilização das novas tecnologias como recurso ao serviço da construção do saber) são os fatores chave para o sucesso de um indivíduo na sociedade dos nossos dias.

Esta realidade não pode ser ignorada pelas bibliotecas escolares, cujas práticas no seu dia-a-dia devem caminhar no sentido do desenvolvimento destas literacias

Liliana Melo #ecoimooc3  


 

 

Comentários