• Blogs
  • Henrique Velho
  • A aprendizagem colaborativa mediada por ferramenta digital na dinamização de atividade económica no setor do imobiliário.

A aprendizagem colaborativa mediada por ferramenta digital na dinamização de atividade económica no setor do imobiliário.

O Negócio é o setor imobiliário em ambiente online.

As ações de intervenção no mercado imobiliário são a identificação de produto com oferta online, que reúna as características da procura mercado específico (ou segmento), em área geográfica específica.

O negócio de arte tem carácter de oportunidade, dada a proximidade com o artista e a dinamização de espaço físico comercial.

Este negócio ou empresa constitui-se como uma equipa (grupo) de três elementos: a gerente da empresa, o artista e o elemento de ligação ao segmento de mercado específico.

Ferramenta digital é o BLOG

A permissão da comunicação assíncrona, permite o encontro online dos três elementos onde desenvolverão reflexão e auto/ coexplicação (Lourenço Dias, 2012: 6). dos temas, fundamentado em pesquisa, seleção de informação para partilha e apoio à resolução de problemas e tomada de decisão Obrigará os elementos a uma interação colaborativa.

Aprendizagem colaborativa

Lourenço Dias (2012) apresenta-nos colaboração como um processo em que as partes negoceiam o entendimento relevante para a resolução de problemas, o todo é maior que a soma das partes. No entanto, Malheiro da Silva, S. (texto 1) integra-nos na aprendizagem colaborativa, em que a colaboração é «uma forma de organização deliberada, complexa, que se constrói na inteligência da ação» (p.98) e que é constituída pela motivação, comunicação e interação. A aprendizagem colaborativa é autónoma, livre, interativa, sinérgica e motivadora (Malheiro da Silva, S. (texto 1) com referência a Levan (2004)).

Como a atividade a desenvolver não é de aprendizagem mas comportamental acrescemos os conceitos de cooperação e colaboração de Thomas (1992) referidos em Carvalho Ferreira et al. (2011), na intenção estratégica dos indivíduos perante o conflito e negociação, que em meu entendimento não contradizem os conceitos de Malheiro da Silva, S. e Lourenço Dias (2012), sendo mais adequados à atividade económica. Assim:

Cooperação é uma intenção estratégica que reflete «o grau em que cada uma das partes se preocupa activamente com os interesses da outra parte» (Carvalho Ferreira et al., 2011: 588). Este comportamento pode tender para acomodação, fraqueza e submissão.

Colaboração é uma intenção estratégica que integra as características da cooperação e da assertividade, («o grau em que cada uma das partes procura satisfazer os seus próprios interesses» (Carvalho Ferreira et al., 2011: 588)), isto é, caracteriza-se por uma postura «assente na procura de satisfação do interesse de ambas as partes, o que requer muita paciência e grande empenhamento» (Carvalho Ferreira et al., 2011: 589).

A colaboração: não é aconselhável para assuntos simples ou urgentes; é aconselhável para assuntos importantes e complexos, quando é necessário o envolvimento das partes para o sucesso, há disponibilidade de tempo e uma das partes não consegue resolver o problema sozinho. Quando o problema é um conflito de objetivos, a solução colaborativa é alcançar a satisfação total dos objetivos das partes. Se o conflito é interpretativo, a solução colaborativa é encontrar uma síntese que incorpore os pontos de vista das partes, se o conflito é de normas a solução colaborativa é encontrar consenso na interpretação das partes.

A evolução interativa entre os membros blogueiros utilizará o modelo de aprendizagem colaborativa (Malheiro da Silva, S.), a ação comportamental deverá caminhar para a intenção estratégica colaborativa. Assim, deverão desenvolver as 5 competências cognitivas de Adams, Carlson & Hamm (1990) (referido por Malheiro da Silva, S.): a clarificação, elaboração e interpretação, a partir de informação disponível na internet; informar e proferir opinião no blog; pedir a opinião dos outros membros; reunir e resumir a informação partilhada; e tomar a decisão ou resolver o problema ou dificuldade. Sendo necessário cultivar em cada membro: a aceitação, o compromisso de “ceder” posição quando necessário; empatia e encorajamento, compreendendo e ajudando a integração dos membros; controlar as intervenções com espaço para todos; libertar a tensão com harmonia das interações; e partilhar sentimentos e processos de grupo como auto-exame para a melhoria; estas as competências de comportamento social (Adams, Carlson & Hamm (1990)referido por Malheiro da Silva, S.).

No entanto, o grupo terá um vínculo de implicação, para cada tema, problema ou dúvida, seguirá o modelo de Costa & Oliveira (2013):

  • Cada tema constitui um fórum;
  • Nesse tema ou fórum, cada membro terá de efetuar 2 posts relacionados;
  • Cada membro apresentará, um mínimo de, 6 comentários ao tema;
  • Finalizando com opinião dos membros, negociação e finalizando com tomada de decisão.

Como é que o blog vai ser mediador da aprendizagem cooperativa e colaborativa?

O blog partilhado por grupo comercial de 3 elementos é utilizado como plataforma de interação destes. A aprendizagem colaborativa fixa-se nas competências cognitivas e comportamentos sociais. Desenvolve-se com o registo das dúvidas dos elementos, dos seus problemas de entendimento operacional da atividade. A interação resultante desta partilha, implicará os elementos do grupo na pesquisa, registo da informação selecionada, partilha ética, opinião e confrontação dos diferentes pontos de vista. A resolução de problemas e tomada de decisão será alcançada com a satisfação total dos objetivos das partes, pela síntese que incorpore os pontos de vista das partes e pelo consenso na interpretação das partes.

Referências:

  • Lourenço Dias, P. (2012). Práticas de avaliação formativa em ambiente wiki. In Atas da Conferência Ibérica em Inovação na Educação com TIC, Instituto Politécnico de Bragança.
  • Malheiro da Silva, S. In Itinerários de @prendizagem Colaborativa /Cooperativa em Contexto Online, pp. 86-122. Lisboa: Universidade Aberta.
  • Carvalho Ferreira, J.M., Neves, J, & Caetano, A. (2011). Manual de Psicossociologia das Organizações. Escolar Editora. Lisboa.
  • Costa, H., & Oliveira, I. (2013). As redes sociais no apoio ao ensino presencial – um instrumento de avaliação. In livro de Atas do II Colóquio Luso-Brasileiro de Educação à Distância e Elearning. Lisboa.