• Blogs
  • Amanda L
  • PROPOSTA – ESTUDO DOS PATRIMÔNIOS MUNDIAIS USANDO FERRAMENTAS DIGITAIS (ARTEFACTO - CRIAÇÃO DE UM LIVRO DIGITAL)

PROPOSTA – ESTUDO DOS PATRIMÔNIOS MUNDIAIS USANDO FERRAMENTAS DIGITAIS (ARTEFACTO - CRIAÇÃO DE UM LIVRO DIGITAL)

“Em síntese, a tela, como novo espaço de escrita, traz significativas mudanças nas formas de interação entre escritor e leitor, entre escritor e texto, entre leitor e texto e até mesmo, mais amplamente, entre o ser humano e o conhecimento. [...] a hipótese é de que essas mudanças tenham consequências sociais, cognitivas e discursivas, e estejam, assim, configurando um letramento digital, isto é, um certo estado ou condição que adquirem os que se apropriam da nova tecnologia digital e exercem práticas de leitura e de escrita na tela [...] Para alguns autores, os processos cognitivos inerentes a esse letramento digital reaproximam o ser humano de seus esquemas mentais” (Magda Soares, 2002, p .151) – grifo pessoal.

 

 

 

                O cenário de aprendizagem tem lugar em uma escola brasileira, que possui um laboratório de informática munido de computadores com acesso a internet e um projetor multimídia.  O grupo de trabalho (atores) são os alunos do 9º ano de Geografia (Ensino Fundamental). O projeto tem como objetivo a criação de um livro digital ilustrado produzido pelos alunos com a temática dos Patrimônios Mundiais.

Cenário de Aprendizagem (Momentos da Aula)

                O roteiro de desenvolvimento da aula tem inicio com a introdução do tema “Patrimônios Mundiais”, onde o professor vai contextualizar o seu aparecimento num cenário preservacionista global, definindo seus usos e funções no presente e passado, sua importância e citar alguns exemplares.

Num segundo momento o professor introduzirá um estudo de caso com a intenção de despertar a curiosidade por meio de uma mini videoaula lúdica já pronta e disponível no site TED-Ed cujo tema é a Grande Muralha da China (disponível no endereço eletrônico: http://ed.ted.com/lessons/what-makes-the-great-wall-of-china-so-extraordinary-megan-campisi-and-pen-pen-chen)

                A mini videoaula de 4:29 minutos é projetada e apresenta o tema de forma lúdica, com elementos cômicos, desenhos e mapas, valendo-se de uma estratégia que mistura desenho animado com história em quadrinhos.  Os principais aspectos sobre a construção e usos da Grande Muralha da China em diferentes períodos históricos são abordados de forma criativa e estimulante.

O professor pode escolher realizar todas as atividades propostas no TED-ED relacionadas a videoaula em questão:

 

Watch – Momento de assistir a videoaula

                    Think – Momento de realizar um pequeno Quis sobre o conteúdo do video

                Dig Deeper – Acesso a recursos adicionais a serem explorados fora do TED-Ed

                Discuss – Momento de discutir duas questões lançadas pelo site: (1) A construção da Grande Muralha se estendeu por décadas e custou muitas vidas. Na sua opinião, este “sacrifício” valeu a magnificência de tal criação? (2) Qual o propósito e a função da Grande Muralha da China no passado e atualmente?

               

Após este momento é hora de lançar a proposta. O Projeto consiste na produção de um livro digital acerca dos Patrimônios Mundiais a partir da consulta a websites disponíveis no Google sobre o assunto. Vale-se também do uso do software Google Earth para a navegação virtual e localização de tais monumentos, acesso a fotos, mapas e imagens orbitais de alta resolução com diferentes níveis de detalhe (escalas / zoom) e em diferentes anos.

A sala será dividida em grupos pequenos (3 a 4 alunos) e cada grupo será responsável pela escolha de um Patrimônio Mundial em determinado continente sorteado de forma a contemplar a Ásia, América, Europa, África e Oceania (por exemplo: Pirâmides de Gizé no Egito; Taj Mahal em Angra na Índia; Machu Picchu no Peru; Alhambra em Granada na Espanha; Paisagem Cultural de Sintra em Portugal; Acrópole de Atenas na Grécia; Parques Nacionais nos EUA, Ópera de Sidney na Austrália; Igrejas Barrocas das Filipinas, Atol de Bikini nas Ilhas Marshall; Vale do Katmandu no Nepal; a cidade histórica de Ouro Preto no Brasil, entre tantos outros). Cada grupo será responsável pela elaboração de um capítulo do livro.

Realizada a etapa de seleção do Patrimônio os alunos serão orientados a (1) Utilizar o Google como ferramenta de pesquisa respeitando o direito autoral dos materiais por eles pesquisados e selecionados, separando os mesmo com suas devidas referencias (autor, obra, ano, endereço eletrônico, etc.); (2) Utilizar o GoogleEarth após a navegação tutorial neste software, explorando e localizando onde estão os monumentos em imagens e mapas, bem como analisando os recursos fotográficos disponíveis, imagens temporais, recursos de zoom e outros.

O professor pode selecionar uma ou mais ferramentas/softwares de criação de livros digitais, e apresentar aos alunos as possibilidades de formatação, editoração, realizando inclusive um tutorial para utilização da(s) ferramenta(s).

Os alunos disporão de 4 horas/aula no período de um mês na escola para o projeto sob a supervisão e auxílio do professor, devendo complementar o projeto em casa ou no próprio laboratório de informática em horários extracurriculares.

Após a elaboração dos capítulos, os mesmos serão ordenados na plataforma do livro digital para sua formatação final. O livro pronto será então compartilhado em diferentes formatos: gravação do livro em um CD-ROM que serão distribuídos com cópia para os alunos e para a biblioteca; compartilhamento no livro em redes sociais, blogs e outros a serem definidos e acessados via internet. Todos da classe deverão ler e discutir o produto final, assinalando os pontos trabalhados e aquilo que lhes foi mais prazeroso executar.

  

1)      Conteúdos a Explorar

No 9º ano, na disciplina de Geografia, os alunos entram em contato com o estudo dos continentes (Ásia, África, Europa, América, Oceania, Antártida). Ainda que o continente Americano seja alvo do 8º ano, este conteúdo pode ser retomado no ano posterior. A temática envolve os Patrimônios Mundiais, reconhecidos pelo seu valor cultural, natural, histórico, arquitetônico, etc.

Os conteúdos a serem trabalhados nesta primeira fase envolvem:

* Conteúdos Históricos: Patrimônios Mundiais (Definição. Características. Importância da preservação do patrimônio natural e construído. Noções de conservação, restauro e tombamento. Papel das Organizações como a UNESCO. Funções passadas e presentes dos monumentos)

* Conteúdos Geográficos: Linguagem Cartográfica. Localização geográfica. Escala. Análise Temporal. Divisão dos continentes. Geografia do Turismo (Patrimônios enquanto “destinos” turísticos).  

* Conteúdos Tecnológicos: Ferramentas de pesquisa na internet. Aplicativo gerador de mapas e imagens de satélite. Instrumentos de editoração e formatação de textos. Mídias e tecnologias distributivas e colaborativas.

 

2)      Competências a Desenvolver 

Magda Soares (2002, p. 152) em seu artigo “Novas Práticas de Leitura e Escrita: Letramento na Cibercultura” destaca as contribuições de Piérre Lévy no campo da cibercultura e as mudanças da relação com o saber. Para este autor, “o ciberespaço suporta tecnologias intelectuais que amplificam, exteriorizam e modificam numerosas funções cognitivas humanas”, como a memória (Lévy, 1993, p. 118 apud SOARES, 2002). A autora busca também em Roger Chartier (1994, p. 100-101 apud SOARES, 2002) o resgate da ideia que considera o texto na tela uma revolução do espaço da escrita, alterando a relação do leitor com o texto, as maneiras de ler, os processos cognitivos. Nas palavras de Chartier: “se abrem possibilidades novas e imensas, a representação eletrônica dos textos modifica totalmente a sua condição: ela substitui a materialidade do livro pela imaterialidade de textos sem lugar específico [...]Essas mutações comandam, inevitavelmente, imperativamente, novas maneiras de ler, novas relações com a escrita, novas técnicas intelectuais”.

                O desenvolvimento de novas capacidades a partir da experiência de construção de um livro digital ganha um aliado para compor uma matriz geográfica. O espaço representado na linguagem cartográfica e nos produtos do Sensoriamento Remoto - antes restritos ao ambiente acadêmico - atualmente disponíveis em imagens orbitais de alta resolução espacial. Isto faz com que adultos e crianças sejam capazes de reconhecer feições e objetos ao olho nu, realizando verdadeiras “classificações de imagens” em categorias facilmente distinguíveis (casa, ruas, áreas verdes, hidrografia, indústrias, zonas de cultivo, etc). Uma varredura, um scanner automático que simplificou e ampliou o nosso contato com a representação tridimensional da realidade.

Segundo Silva et al (2014, p.3) o Google Earth é um aplicativo que possibilita a visualização geográfica e cartográfica contribuindo como recurso didático para o processo de ensino e aprendizagem na medida em que informações são exploradas, analises são estabelecidas, e o dado espacial é extraído. Os autores lembram que, no que diz respeito às políticas educacionais brasileiras, a lei de diretrizes e bases da educação (LEI Nº 9.394/96) expõe a necessidade do trabalho escolar “com conteúdos e recursos que qualifiquem o cidadão para viver na sociedade moderna tecnológica”.

Neste contexto, as práticas pedagógicas se mostram cada vez mais interdisciplinares, dotadas de conteúdos multidisciplinares e com o apoio de tecnologias.  Gonçalves (2004, apud GONVALVES et al, 2007) afirma que

[..] o uso escolar do sensoriamento remoto recomenda o desenvolvimento da pedagogia da comunicação no tratamento dos conteúdos curriculares (Gonçalves, 2004), considerando a análise da realidade concreta e as reflexões possíveis de serem desenvolvidas sobre ela, propiciadoras do exercício de operações mentais implementadoras do desenvolvimento do raciocínio crítico e da produção do conhecimento.

Os autores complementam tal pensamento explicando que o uso de tecnologias neste âmbito 

[..] permite, primeiramente, desmistificar a ideia de que tais tecnologias são algo distante da escola, assim como permite o esclarecimento para que professores possam promover ou proceder à socialização dos conhecimentos requalificando a relação do ensino entre o conhecimento e o cotidiano aprimorando a função da escola na formação, contribuindo, assim, para a formação de cidadãos preparados a participações sociais consistentes e construtivas através dos recursos da informação e da comunicação presentes na sociedade, oportunizando à escola, e a partir dela, à comunidade, o acesso e a apropriação do conhecimento, sendo estes uma das principais funções sociais da escola.

Assim, nesta atividade os alunos desenvolverão o (1) pensamento crítico, (2) a tomada de decisão em conjunto, (3) a construção colaborativa de conhecimentos, (4) se apropriarão de ferramentas digitais como um incentivo à produção textual, (5) trabalharão com a capacidade de representação e interpretação do espaço geográfico, (6) observarão a Terra em três dimensões, (7)  farão a transposição do texto escrito e digitado para hipertexto, (7) e experimentarão o compartilhamento de experiências em diferentes esferas de ação (em casa com a família; na escola com os colegas, professores e funcionários; nas redes sociais com amigos, etc.)

 

3)      Objetivo de Aprendizagem

O objetivo principal do projeto é a construção colaborativa de conhecimento com o suporte de diversas ferramentas digitais. Esta construção exigirá dos alunos ações cooperativas e articuladoras, pensamento analítico e de síntese.

 

4)      Ferramentas Tecnológicas Mobilizadas


  • TED-Ed Lessons Worth Sharing

Momento de Aprendizado Lúdico (1) Videoaula sobre a Grande Muralha da China (2) Quiz (3)  Aprofundamento – Recursos Adicionais (4) Discussão

 

  • Google

Momento de Pesquisa e Seleção: (1) O que são e qual a importância dos Patrimônios Mundiais? (2) Onde estão os Patrimônios Mundiais? (3) Com quais vamos trabalhar? (4) Seleção e organização dos materiais

 

  • Google Earth

Localização Geográfica e Recursos Fotográficos: (1) Mapa de localização dos Patrimônios Mundiais Selecionados (2) Escolha das fotos mais representativas (3) Navegação exploratória (4) Turismo virtual (5) Análise de imagens históricas

 

  • Plataformas de Livros Digitais (Ver Operacionalização)

Criação e Execução: (1) Seleção da(s) Plataforma(s) mais adequada (2) Inserção dos conteúdos do livro (3) Formatação (4) Edição Final

 

  • Redes Sociais e Blogs

Compartilhamento: (1) divulgação do livro

 

 

5)      Operacionalização

Atualmente temos disponíveis varias plataformas para a criação de livros digitais com recursos diversos de formatação e edição de texto, bem como inserção de imagens (fotografias e mapas). Algumas das ferramentas mais utilizadas para a criação de livros estão disponíveis no Blog Informática e Educação, de autoria de Andrea de Carli, que comenta os recursos:http://informaticaeeducacaoblog.blogspot.com.br/2012/01/ferramentas-para-construcao-de-livros.html

  • Animated Book  - Simples, intuitivo e de fácil manuseio. Permite escrever, publicar no blog e imprimir.
  • Bookr  - Simples e fácil de usar, não necessita de grande conhecimento. O Livrinho é criado com imagens do Flickr e texto e depois pode ser publicado. Ele não requer qualquer tipo de registro.
  • TikaTok - Foi um dos melhores recursos para a publicação de livros on line. Agora, com a proteção da empresa Barnes & Noble, alguns serviços são extra, mas a sua qualidade permanece inegável.
  • Mixbook - Um dos melhores aplicativos para escrever e publicar. Ele tem muitos recursos: fotos, imagens, backgrounds, modelos variados. Seus resultados visuais são realmente bons.
  • Storybird - É um ótimo lugar para crianças escreverem histórias. Sua principal atração é o banco de imagens que são verdadeiras obras de arte. Mas, infelizmente para nós, tem um grande problema: suportam apenas o Inglês como idioma para publicação de livros para acesso público.
  • StoryJumper  - É um bom site para crianças e adolescentes para publicar seus livros e suas histórias digitais. Esta é uma aplicação bastante intuitiva que tem modelos e imagens, mas também permite o uso e adaptação de materiais já publicados neste site.
  • Panraven - Serve também para organizar fotos, vídeos, textos e outros conteúdos em um livro de história. Pode ser menos intuitivo e um pouco mais lento do que outras ferramentas. Mas tem uma boa quantidade de recursos próprios:  fundos, fotos e imagens e páginas que aceitam texto de arte, som, vídeo etc. O texto também pode ser alterado no tamanho e cor.
  • Bookemon - Este é um lugar atraente para projetar, publicar e compartilhar livros, também para criar a nossa própria biblioteca. Oferece três opções de criação: a partir de um template em branco, carregando um arquivo word ou pdf e inserindo imagens ou criando a partir de um template pronto.
  • Batalugu - Como nos casos anteriores, um outro espaço na web para publicar e compartilhar criações por escrito. Ele oferece várias opções de trabalho, inúmeras imagens free, sons, permite publicar no facebook, twitter, google+, alem de possibilitar a impressão.
  • FlipBook - Esta ferramenta é projetada para escrever e ilustrar livros até dez páginas, tendo diferentes templates pré-configurados .
  • Beta Pandamian - Para iniciar utilizando a ferramenta precisa realizar um breve cadastro, e uma vez feito você recebe um endereço ou site para a publicação de cada um de seus livros, o que pode ser dividido em capítulos. Ele também permite a conversão das criações em vários formatos, incluindo ePub, Mobi, PDF, para facilitar a divulgação e leitura. Esta opção é usada em vários dispositivos também são encontrados em mais lugares.
  • ePub Bud - Uma outra ferramenta online para criação de livros infantis eletrônico gratuitamente. Seu uso é muito simples, e uma das suas características especiais é que ele fornece as instruções necessárias para obter o ISBN de nossos livros ( esse serviço é pago). Outro uso que tem é a de converter qualquer documento para formato ePub, que é o mais ebooks ou livros eletrônicos.

 

Além destes, o site Porvir – Inovações em Educação (Disponível em http://porvir.org/5-sites-gratuitos-ensinam-criar-livros-digitais/ ) inclui:

  • Myebook - Criação e edição livros digitais de forma simples e personalizável. É possível escolher o número de páginas e optar por desenvolver a publicação a partir de um modelo pronto ou começar do zero. Além de inserir textos, a plataforma permite a criação de recursos interativos com vídeos, áudios, documentos, imagens e arquivos em flash. Após a conclusão do projeto, o livro pode ser disponibilizado no site para consultas. A ferramenta está disponível apenas em inglês.
  •  Livros digitais  - Desenvolvida pelo Instituto Paramitas, a plataforma pode ser utilizada por alunos e professores para criação e publicação de livros eletrônicos. Com aplicações simples, uma das vantagens da ferramenta é estar disponível em português e ter fácil usabilidade. No site, o usuário pode formatar o seu livro, escolher modelos de capas e adicionar páginas com quatro layouts pré-estabelecidos, permitindo inserir textos e imagens. Após a finalização do projeto, o livro pode ser convertido em PDF, no formato A4, ou também é possível compartilhar a obra nas redes sociais.
  • Papyrus - Editor on-line que permite a criação de livros digitais para serem exportados no formato PDF, Epub ou Kindle. Para começar um projeto, é necessário escolher entre 25 modelos disponíveis. Com base nesses formatos, o usuário pode fazer adaptações, adicionar capítulos, inserir imagens e textos. Embora seja possível seguir apenas modelos pré-formatados, a ferramenta possui alguns recursos de customização, incluindo o estilo de texto, alinhamento, formatação e inserção de links. Ela já está disponível em português.

 

A etapa final do projeto é a construção do livro digital. Como vimos, existem vários tipos de aplicativos, plataformas, softwares que dão suporte a criação, alimentação, formatação e edição de tal artefacto.

O professor deverá testar algumas destas ferramentas de forma a pré-selecionar aquela(s) mais adequada(s) à idade dos usuários e que satisfaça ao objetivo do projeto. Tutoriais devem ser preparados para orientar os alunos a manejarem este tipo de ferramenta.

Outra ideia é cada grupo usar uma ferramenta diferente para cada capítulo, de forma a testar os diferentes recursos disponíveis, realizando ao final uma comparação das diferentes “arte final”, bem como uma votação entre os alunos acerca da ferramenta que mais agradou para que todos os conteúdos sejam então transportados e editados no formato livro escolhido.

A divulgação do Livro a partir do seu compartilhamento finaliza a atividade, disponibilizando assim o conhecimento produzido e organizado, que deverá ser lido no formato escolhido (em um blog; no facebook; em um pdf no tablet ou kindle; como conteúdo de um cd-room no seu notebook, etc.) pela turma toda, abrindo espaço para posterior discussão em sala, em casa, nos diferentes ambientes de convívio.

 

Considerações Finais/Observações

Após mais de uma década longe das salas de aula, vejo que tal exercício proposto por este MOOC resgata a oportunidade de refletirmos sobre o processo de ensino-aprendizagem voltado para o século XXI. Dinâmico e com suporte digital. Ou capta a nossa intenção de imediato ou não lhe daremos o devido valor.

Quando se está longe da prática da sala de aula os pensamentos não se apresentam de forma fluída, mas precisam ser construídos. Nesta atividade, busquei me afastar da Amanda exclusivamente pesquisadora e produtora de teses e artigos científicos e procurei por atividades – que no papel de aluna – despertariam o meu interesse. Lembrei também da época em que preparava atividades, mas sem dispor de tamanho leque de recursos relacionados às TICs. O professor precisa ser web.2 neste “novo mundo”. Os alunos – verdadeiros nativos digitais – dominam as ferramentas, na maioria das vezes, com mais habilidades que o professor, pelo simples fato das tecnologias fazerem parte do seu cotidiano. Nós é que precisamos nos atualizar, realmente “correr atrás” para produzirmos atividades significativas que alcancem não só a mente dos alunos, mas o seu coração, para que tomem gosto do “querer aprender”.

Este MOOC, sem duvida, nos introduz no meio técnico – cientifico – informacional e nos dá esta oportunidade de crescer – construindo os saberes!  

 

Textos de Referencia

 

GONÇALVES, A. R.; NOCENTINI ANDRÉ, I. R.; SALOMÃO AZEVEDO, T.; GAMA, V. Z. Analisando o uso de Imagens do “Google Earth” e de mapas no ensino de geografia. Ar@cne. Revista electrónica de recursos en Internet sobre Geografía y Ciencias Sociales. [En línea]. Barcelona: Universidad de Barcelona, nº 97, 1 de junio de 2007. <http://www.ub.es/geocrit/aracne/aracne-097.htm>. 

 

SILVA, C. A. I.; RODRIGUES, M. T.; RODRIGUES, B. T.; MALHEIROS, J. M.. O Uso do Software Google Earth no Ensino da Geografia. In: XXVI Congresso Brasileiro de Cartografia e V Congresso Brasileiro de Geoprocessamento, 2014, Gramado - RS. XXVI Congresso Brasileiro de Cartografia e V Congresso Brasileiro de Geoprocessamento, 2014.

 

SOARES, M. Novas práticas de leitura e escrita: letramento na cibercultura. Educação & Sociedade, 23(81), 143-160, 2002.

 

Dentro do TED-ED

 

Video (Watch)

http://ed.ted.com/lessons/what-makes-the-great-wall-of-china-so-extraordinary-megan-campisi-and-pen-pen-chen#watch

Quiz (Think)

http://ed.ted.com/lessons/what-makes-the-great-wall-of-china-so-extraordinary-megan-campisi-and-pen-pen-chen/review_open#question-1

Aprofundando os Conhecimentos (Dig Deeper)

http://ed.ted.com/lessons/what-makes-the-great-wall-of-china-so-extraordinary-megan-campisi-and-pen-pen-chen#digdeeper

Discussão (Discuss)

http://ed.ted.com/lessons/what-makes-the-great-wall-of-china-so-extraordinary-megan-campisi-and-pen-pen-chen#discussion

Comentários

  • Silvia_Vieira há 1142 dias

    Olá Amanda.

     

    Gostei muito de seu trabalho.

    E como também sou professora de Geografia, despertou-me a atenção.

    Boa estruturação e organização da informação.
    Apresentação clara e facilmente compreensível da informação.

    Parece uma atividade bastante interessante e motivadora para os alunos.

    Abraços.

  • Amanda L há 1139 dias

    Obrigada Silvia! 

    Ja faz um bocado de tempo que não preparava uma atividade de ensino-aprendizagem, quanto mais usando tecnologias, mas também fiquei feliz com o resultado... ! 

    Abraços e obrigada por passar por aqui e comentar!Wink

    Amanda