Google e o Cérebro

Pesquisando um pouco sobre o cérebro e a internet, encontrei um post em português sobre um artigo muito interessante sobre os efeitos do google no cérebro.

Deixo o link para o artigo no original:

Your Brain on Google: Patterns of Cerebral Activation during Internet Searching

E o link para o post (em português):

 O “Efeito Google” mudando o seu cérebro

Comentários

  • Emilia há 787 dias

    Então, Maria João, o termo Efeito Google é muito  interessante , e resolvi fazer uma pesquisa e encontrei esta  página abaixo com observações pertinentes

     https://www.tecmundo.com.br/google/83234-estamos-ficando-idiotas-saiba-o-efeito-google-cerebro.htm

    A Kaspersky, fabricante de softwares, realizou uma pesquisa com mais de mil norte-americanos para entender melhor o "EFEITO GOOGLE" .

    Não  estamos ficando idiotas ou desmemoriados. Estamos apenas passando por uma "adaptação cerebral" durante a enxurrada de tecnologia que vemos

     Como explicou a Dr. Kathryn Mills (UCL Institute of Cognitive Neuroscience), o ato de esquecer algo não é tão ruim e ainda diz que somos criaturas altamente adaptáveis e apenas não nos lembramos de tudo porque não é mais algo vantajoso. O ato de esquecer só se torna algo ruim quando envolve perder informações que nós realmente precisamos saber. Já o ato da memorização é uma habilidade, e também é importante como ferramenta cognitiva para navegar neste mundo. Resumindo: ser capaz de memorizar é uma habilidade importante de se ter, mas apenas se realmente precisarmos disso. #ecoimoocbrt1

  • Maria João Spilker há 787 dias

    Emilia e tod@s,

    Estou a pensar no tal de "Google Efeito" ... Será que é tão novo assim?

    Explico: Lembro que tive professores que, pelo tipo de aulas que realizavam, pelo tipo de trabalhos exigidos (em conformidade com o currículo), nada mais um recorrer constante à memorização, memorização de datas, de dados isolados, sem que o (pelo menos, o meu :-( ) ligações se estabelecessem. Chegava o exame, era colocar no papel o memorizado (nem escrevo aqui "aprendido") e durante as férias esquecer. Ou seja, o cérebro descartava o que de alguma forma não dava importância.

    Atualmente, não havendo corte na ligação à internet ;-) , tenho todo um mundo de dados à minha disposição.

    O que preciso então? O título do Tema 1 do curso não foi escolhido por acaso: Pesquisar | Selecionar | Partilhar. Saber pesquisar (encontrar a informação que procuro) e, mais do que isso, saber avaliar a qualidade da mesma e selecionar. E depois Partilhar. 

    O partilhar não é um simples disponibilizar. É um adicionar de algo que torna a partilha ainda mais rica. Rica para quem lê, mas sobretudo para quem partilhou, porque ao fazê-lo aprendeu algo.

    Este post e o comentário da Emilia é um exemplo. 

    Um mundo fascinante de novos desafios. :-) 

    Mais opiniões?