O planejamento Estratégico aplicado em serviços educacionais.

http://convibra.com/2005/artigos/201.pdf

As instituições precisam voltar sua atenção para o novo perfil do trabalhador e
incorporar aos processos formativos novas competências e habilidades requeridas pelo
mundo do trabalho. Na busca pela produtividade, nota-se maior sensibilidade por parte
dos empresários no sentido de assegurar um padrão mais elevado de qualificação para o
trabalhador. Os trabalhadores, por sua vez, reconhecendo a necessidade de se manterem
em contínuo processo de qualificação e requalificação profissional, reivindicam
educação gratuita e de qualidade, procurando ocupar seu espaço de socialização.
(PARECER CNE/CEB, n. 16/99, 2000).
Torna-se difícil determinar critérios para se avaliar a eficácia de uma instituição
quando temos duas vertentes, assistencialista e economicista. Qual delas seguir? Porque
não conviver com as duas, já que os recursos são tão escassos?
Acredita-se que tendo a prática do planejamento estratégico, como instrumento
de gestão, e os padrões de qualidade, como meta, as instituições do Sistema Federal de
Educação Profissional, a curto e médio prazo, podem sair deste impasse e superar com
sucesso a complexidade das mudanças necessárias.