PADRÕES DE COMPETÊNCIA EM TIC PARA PROFESSORES

http://unesdoc.unesco.org/images/0015/001562/156209por.pdf

PADRÕES DE COMPETÊNCIA EM TIC PARA PROFESSORES

A meta do projeto da UNESCO de Padrões de Competência em TIC para Professores (ICT-CST) é melhorar a prática docente em todas as áreas de trabalho. Combinando as habilidades das TIC com as visões emergentes na pedagogia, no currículo e na organização escolar, os padrões foram elaborados para o desenvolvimento profissional dos professores que utilizarão as habilidades e os recursos de TIC para aprimorar o ensino, cooperar com os colegas e, talvez, se transformarem em líderes inovadores em suas instituições. O objetivo geral do projeto não se restringe a melhorar a prática docente, mas também fazê-lo de forma a contribuir para um sistema de ensino de maior qualidade que possa, por sua vez, produzir cidadãos mais informados e uma força de trabalho altamente qualificada, assim impulsionando o desenvolvimento econômico e social do país. Mais especificamente, os objetivos do projeto da UNESCO de Padrões de Competência em TIC para Professores são: • constituir um conjunto comum de diretrizes, que os provedores de desenvolvimento profissional podem usar para identificar, construir ou avaliar materiais de ensino ou programas de treinamento de docentes no uso das TIC para o ensino e aprendizagem; • oferecer um conjunto básico de qualificações, que permita aos professores integrarem as TIC ao ensino e à aprendizagem, para o desenvolvimento do aprendizado do aluno e melhorar outras obrigações profissionais; • expandir o desenvolvimento profissional dos docentes para melhorar suas habilidades em pedagogia, colaboração e liderança no desenvolvimento de escolas inovadoras, usando as TIC; • harmonizar diferentes pontos de vista e nomenclaturas em relação ao uso das TIC na formação dos professores. O objetivo deste documento é oferecer aos parceiros no desenvolvimento profissional docente as informações necessárias para analisar sua participação no projeto ICT-CST, bem como para rever ou preparar seu currículo e propostas de oferta de curso. O documento apresenta a estrutura geral dos padrões por meio: • da identificação de três abordagens complementares que um elaborador de política pode adotar para criar o vínculo entre a reforma educacional e o desenvolvimento profissional docente com as políticas de desenvolvimento econômico e social de um país; • da lista de seis componentes da matriz ICT-CST; • da descrição dos conteúdos e da especificação dos níveis dos módulos que correspondem aos seis componentes de cada abordagem; • do detalhamento dos objetivos e métodos sugeridos que um responsável pelo desenvolvimento profissional pode utilizar para elaborar os materiais de aprendizagem que apoiariam as metas do projeto UNESCO ICT-CST.

Comentários

  • Rui Pacheco há 1486 dias

    Este é, de facto, um projeto estruturante para a disseminação das competências das TIC junto dos docentes. No entanto, a sua implementação tem sido muito lenta, pouco estruturada (veja-se o PTE em Portugal e os milhões que foram gastos em Magalhães e outros, bem como na certificação de competências, através dos centros de formação dos professores.) mas não vamos desanimar...

    #ecoimooc3t0#ecoimooc3#ecoimooc3t1

  • Ilda Maria de Oliveira Costa Silvério há 1478 dias

    Olá :) 

    Grata por seu comentário, claro que eu estando aqui já há 4 anos do Brasil, vou cada vez mais estando consciente da realidade educacional brasileira do que a portuguesa.

    Mas eu achei ótimo as crianças e jovens principalmente de poucos recursos poderem acessar um computador na escola. Por isso sou a favor do "magalhães".

    Ainda me lembro de meu filho Paulo, no ensino secundário da escola de Lousada.

    Fui aconselhada a retirar o meu filho da escola "porque ele estava demasiado interessado nos computadores e na informática".

    A idiota aqui, pensando que estava realmente fazendo o melhor pelo filho, segui as instruções da sra. diretora de turma, (ele tinha 15 anos e bons resultados) e durante esse ano meu filho não frequentou a escola porque "ele estava tendo más influências..."

    Acontece que o coloquei num curso de técnico de informática, tornou-se um excelente senão o melhor aluno do curso e hoje para além de outras formações está a estudar na IBTA em São Paulo, com excelentes resultados o curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas, ou seja programação.