Quadros interativos na educação: uma avaliação a partir das pesquisas da área

http://www.scielo.br/pdf/ep/v39n3/12.pdf

Este artigo parte da premissa de que é necessário os professores das escolas do século XXI terem acesso a recursos e habilidades tecnológicas que permitam transmitir conhecimento com competências em Tecnologias da Informação e da Comunicação (TICs). Tendo em vista essa necessidade, o governo português implementou o Plano Tecnológico da Educação, propondo-se a atuar diretamente com a maioria dos professores, de maneira a reforçar substancialmente as infraestruturas tecnológicas das escolas, assim como formar e certificar esses profissionais nas competências fundamentais para as TICs. Nesse plano de formação, o quadro interativo é um dos recursos trabalhados. Objetiva-se assegurar a presença de um equipamento em cada três salas de aula e formar seus respectivos docentes no uso pedagógico e profissional dessa ferramenta. Tendo em vista a ampla difusão desses quadros, importa refletir a respeito da importância pedagógica dessa ferramenta educativa. Neste artigo, apresenta-se uma síntese de diversos estudos que têm sido feitos em Portugal e em outras partes do mundo a respeito da utilização dos quadros interativos em contexto educativo. O intuito dessa apresentação é sistematizar as vantagens e desvantagens do uso desse tipo de tecnologia, avaliando as suas influências e potencialidades no ensino-aprendizagem. Queremos investigar que atitudes demonstram os professores na integração com os quadros e no planeamento das aulas e que níveis de utilização são alcançados pelos docentes em contexto de sala de aula. Considera-se que essa ferramenta educativa poderá permitir melhorias no processo de ensino-aprendizagem em diversos níveis. Contudo, cabe enfatizar que os docentes necessitam de tempo e formação para adquirir as competências tecnológicas necessárias para fazer uso do quadro interativo, de modo a alterar metodologias e atitudes em sala de aula. Podem, assim, integrar pedagogicamente essa tecnologia nos seus planos de aula, não se focando na tecnologia em si, mas na forma como será utilizada e nos objetivos almejados por cada docente.