Alunos-repórteres ganham autonomia com a comunicação

Laughing Olá pessoal,

 

Esta reportagem traz uma temática interessante sobre a comunicação no ambiente escolar e formas de inserir os alunos neste processo.

 


Vamos lá!!!


Leiam e vamos opinar e trocar experiências das nossas realidades escolares.

 

REFERÊNCIA

Alunos-repórteres ganham autonomia com a comunicação. Disponivel em:http://porvir.org/diariodeinovacoes/conhecer-identidade-da-escola-mobilizou-os-alunos/20150422. Acedido 27 Abr 2015.

Replies

  • Ribeiro Ferreira há 1515 dias

    Olá

    Interessante ideia. Os alunos aprendem a socializar-se no meio envolvente.  

  • @na correi@ há 1514 dias

    Olá boa tarde,

    De facto interessante porque conjuga dois traços fundamentais: foco no aluno e nas suas capacidades e trabalho colaborativo!!!

    Até já,

    @na

  • Francione há 1514 dias

    Olá,

    Este trabalho que está sendo desenvolvido de fato é um trabalho grandioso, por trás dos bastidores, tem que ter uma equipe de apoio muito grande por parte da escola. Com certeza, é um dos caminhos para desenvolver a autonomia do aluno em relação à sua própria aprendizagem com o auxílio do professor. Parabenizo esta escola pela iniciativa.

    Francione

     

  • Lilian Lizardo há 1508 dias

    Olá Ligia

    Realmente achei muito interessante a proposta desa escola, que vemos nitidamente o compromisso com a aprendizagem e o protagonismo juvenil.

    Beijos

    Lilian

  • Ana Rodrigues há 1500 dias

    Boa tarde a todos!

    Que belo exemplo do que podem ser aulas práticas, estimulantes e orientadas para o mercado de trabalho.

    Felizmente por cá também já vão acontecendo algumas iniciativas deste género e o saldo é sempre positivo! Alunos mais satisfeitos, aulas mais proveitosas e dinâmicas e obviamente resultados mais satisfatórios!

    Infelizmente nem sempre podemos atirar-nos a projectos tão ambiciosos como este que é apresentado, ou porque as escolas estão situadas em zonas fragilizadas, remotas ou simplesmente com recursos muito limitados. E Portugal infelizmente, como creio que também o Brasil, ainda se debate com zonas com estas características e se por um lado é muitas vezes nestas envolventes que encontramos as pessoas mais disponíveis e prestáveis, também é verdade que sem ovos não se fazem omoletes..