CS

CS

60 pontos conseguidos
4 de 13 crachás

Sobre mim:

Professora de Educação Especial, com interesse em explorar novas ferramentas de trabalho. As TIC são sem dúvida essenciais para a motivação dos alunos e a Web um recurso ilimitado que deve ser explorado de forma orientada.

 

O que faço: Estou a trabalhar com alunos com Perturbações do Espetro do Autismo.
iPerfil
iPic
iBlog
iPotencial


Pertença ao grupo

Sem grupos

Message board

Ficheiros

Sem ficheiros carregados.

Favoritos

Sem favoritos

Curtas

Mais curtas

Atividade

  • CS publicou uma entrada no blog Notícia... Como fazer de forma colaborativa? há 1058 dias
  • CS publicou uma entrada no blog Feedback há 1071 dias
    Comentários
    • Celeste_Gregorio_Lopes há 1071 dias

      Olá CS,

      Partilho consigo as suas três primeiras frases. Já a bondade da avaliação não me atingiu assim.

       Percebo por que razão não o fez, como eu também não o fiz - as nossas planificações nunca  tiveram fundamentação teórica e referências bibliográficas. A reflexão pessoal fez-se sempre entre pares, oralmente, sendo depois parte integrante da autoavaliação escrita. Como orientadora, até há bem pouco tempo, procedia assim, dado que as planificações pertenciam à prática letiva. Os procedimentos eram concertados com os orientadores das faculdades. 

      Aqui, encontrámo -nos com uma conceção diferente. Com os trabalhos que avaliei, decidi de acordo com a minha consciência e não 'by the book', até porque me deparei com realidades muito diferentes. Pela planificação se vê a escolinha e os meios e tanto mais! Como guiar-me por uma teoria que não contempla (não poderá nunca fazê-lo) o Homem e a sua circunstância, como o preconiza Ortega Y Gasset? In dubio, pro reo e atribui nota máxima no que considerei não aplicável! Como tal, não me foi difícil avaliar o trabalho dos outros. Parto do princípio da seriedade, do trabalho, da ética. Ora, se trabalhamos todos para os nossos alunos, como não pensar o melhor de cada um de nós?

      Como a colega, assumo e concordo - não percorri, de facto, o caminho step by step. Reconheço que nem sequer sou uma boa seguidora de bons caminhos... Gosto de fazer por mim e de acordo com a turminha que tenho comigo, não me passa pela cabeça não ter informação básica, nem sequer fazer todas e quaisquer consultas necessárias. Porém, são necessárias evidências... Não as apresentei! Olhe, tive, por exemplo, um mísero 11 em 21! Aprendizagem penosa, de que não gostei, mas que, acredite, deve ser de maior aprendizagem a quem a atribuiu, porque a classificação que lhe dei foi exatamente a oposta - o máximo!

      Conclusão? É mais uma aprendizagem. Para mim, a menos importante, apesar de ser a humanamente mais dolorosa. As outras aprendizagens superam esta no que têm de bom, de ampliação de horizontes e de fixação/reorientação de saberes. Mais uma atualização que me mantém a par. Para mim é isso que importa, é a mais-valia!

      Obrigada colega, porque a sua reflexão me deu oportunidade para o desabafo que ainda não tinha tido coragem de fazer!

      #ecoimooc4t2, #feedbackt2

       

       

       

    • Maria João Spilker há 1070 dias

      Olá,

      No contexto deste MOOC foram tomadas algumas decições baseadas no modelo pedagógico da UAb e que foram transferidas para o mundo dos cursos abertos online e massivos.

      Mais que as notas, é de valorizar o feedback dado pelos colegas. Esse, nem sempre é justo, e, pior que isso, nem sempre é transparente através de uma justificação. Sinto muitas vezes a falta desse comentário por parte das avaliações entre pares.

      Confesso que não sou das pessoas que gosta de avaliar. Tento, contudo, ver o processo de avaliação pelo lado mais positivo, ou seja, no momento em que estou a avaliar um trabalho dos colegas de curso, estou eu a aprender e a refletir sobre a minha própria prestação. Refletindo sobre a minha própria forma de avaliar:  tendo a ser muito benévola pois sempre encontro algo interessante que valorizo no trabalho do outro.

      Isto somente para dizer que hoje, quando se iniciar a avaliação do Artefacto 2, devem ter em atenção as rubricas definidas, mas usem o espaço de comentários para dar um feedback fundamentado que pode até ser o de partilhar uma simples referência interessante sobre o tópico do trabalho.

      O que eu também levo deste processo de avaliação? Por vezes, como docentes, estamos tãi habituados a "dar a nota" que nos esquecemos como nos sentimos ao receber uma nota menos favorável e sem que esta seja embrulhada numa justificação de qualidade.

      Resumindo, tudo é uma aprendizagem e uma oportunidade para reflexão. Esta é a minha modesta opinão.

      Mesmo no momento de terminar o curso, este post foi um momento alto:Fez-me parar para pensar. Obrigada.

      []s MJoão

       

       

       

  • Gostei da ideia. No entanto, já trabalhei com o StoryBird e não consegui adicionar imagens. Como é que o Mário fez?? Também trabalho com alunos com PEA e estou sempre a procurar novas estratégias. CS
  • CS publicou uma entrada no blog #ecoimooc4t3 Trabalho colaborativo entre docentes??? há 1081 dias
    Será uma prática usual???
    Comentários
    • Cristiane há 1080 dias

      Prezada colega.

      Sua colocação foi perfeita, eu também compartilho da mesma inquietude. É realmente um trabalho de "formiguinha", muitos profissionais ainda são extremamente resistentes em se tratando de trabalho colaborativo e coletivo. Infelizmente, em pleno século 21, ainda vemos tamanha resistência. Sendo assim, a mudança precisa ocorrer primeiramente na formação docente.

      Abraço.

    • Pedro Sá há 1079 dias

      Cara colega

       

      Eu também espero... desde que estagiei! ...e nem aí! ...e já lá vão 25 anos!

      Coloco algumas hipóteses... algo especultaivas!

       

      1. Será que os professores são inseguros e têm receio de revelar as suas fragilidades quer científicas quer metodológicas?
      2. Será que os professores, porque foram ensinados segundo uma lógica "taylorista", tendem a seguir essa metodologia, ou seja, julgar que o seu contributo para o sistema se inicia e acaba em si.
      3. Será que a sobrecarga administrativa, pelo menos por terras lusas, não propícia nem tempo nem motivação para a partilha?
      4. Será que as competências digitais da maioria dos professores fica muito aquêm daquilo que seria de esperar para uma utilização eficaz e segura de ferramentas para efetuar partilhas, colaborando, em ambientes digitais?
    • Silvia_Vieira há 1079 dias

      Olá caros colegas.

      No meu agrupamente e mais concretamente no meu grupo disciplinar somos três professores e sempre que temos tempo fazemos trabalho colaborativo quer a nivel de preparação de aulas,  projetos e de fichas de avaliação ou de trabalho... entre outras atividades.

      Concordo quando o Pedro faz algumas especulações, todas plausíveis. Mas a que encaixa na perfeição no meu caso é a sobrecarga administrativa, toda a burocracia a que estamos sujeitos que não propícia nem tempo, nem motivação e muitas disposição para estar mais tempo na escola a fazer este tipo de trabalho.

      Mas também concordo e já passei por essa experiência noutras escolas, que existe muita falta de vontade por parte de alguns colegas em partilhar.

      Abraço 

  • CS escreveu uma mensagem em Curtas há 1081 dias
    #ecoimooc4 e #ecoimooc4t3 Trabalho colaborativo ou cooperativo? Ou ambas as estratégias? Penso que a sua utilização depende do contexto.
  • CS comentou no blog As TIC e os alunos com dificuldades há 1093 dias
    Este é de facto um tema extremamente interessante. Nós continuamos a ter dificuldade em explorar as novas tecnologias no sentido de ajudar os nossos alunos a aceder a uma aprendizagem de qualidade. Umas vezes, por desconhecimento,...

Blog

Mais entradas do blog